Partindo para o ataque

É praticamente um consenso que a retomada de crescimento da produção industrial é fundamental para que o Brasil volte a crescer de forma sustentável. Segundo a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) do IBGE, divulgada no início do mês, desde junho de 2011 a produção industrial está em queda na variação do acumulado em 12 meses e mês a mês este cenário se agrava mais, atingindo
-4,8% em abril de 2015. Dados divulgados hoje da PIM regional revelam que 13 dos 14 locais pesquisados recuaram na comparação mensal. Apenas o Paraná obteve alta (1,4%), enquanto os demais desceram a ribanceira, com destaque para a queda de 7,9% do Ceará. Esses resultados só não são piores que os obtidos no fim de 2008, quando não houve exceção.

O desempenho da indústria de transformação é preocupante, pois já encontra-se nos patamares da crise enquanto a indústria extrativa ainda cresce. Os empresários do ramo de transformação, que já não estão nada satisfeitos com os resultados da produção, manifestaram-se contra a retirada do benefício da desoneração de folha de pagamentos e o aumento da alíquota sobre o faturamento em pesquisa realizada pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Segundo a pesquisa da entidade, estas medidas acelerariam o processo de demissões já em curso devido à retração econômica, colocando cerca de 290 mil vagas em risco.

O ajuste fiscal em voga e o aperto monetário promovido pelo Banco Central certamente continuarão contribuindo para que o cenário continue turbulento. O governo tenta partir para o ataque, lançando um pacote de concessões com previsão de investimentos de quase R$ 200 bilhões para os próximos 5 anos, incluindo a licitação de ferrovias, rodovias, portos e aeroportos.

Apesar das incertezas que ainda envolvem o sucesso do pacote, uma coisa é certa: deixar de colocar esforços somente no necessário e recessivo ajuste fiscal e incentivar a participação da iniciativa privada em grandes projetos de longo prazo sem dúvida ajudam a melhorar o ambiente de negócios para novos investimentos, principalmente no setor industrial.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…