Peña Nieto assume no México e enfrenta a China

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Com disposição para fazer o México se tornar um “tigre” na economia, o novo presidente assumiu esta semana prometendo uma nova era de desenvolvimento, baseada em eficiência e competitividade. Parece ser para valer. A iniciativa de enfrentar a China em um painel na OMC contra os subsídios chineses aos produtos têxteis que entram no mercado americano – centro da disputa – denota como os mexicanos agirão no comercio exterior com agressividade e senso de propósito. A China sentiu o golpe, impedindo que os EUA e a União Europeia acompanhem de perto as sessões na OMC precedentes à instalação da fase judicial dos processo. A China não  quer testemunhas para ouvir o que tem a dizer para fazer o México recuar em sua denúncia.

O Brasil deve ter grande interesse em saber como o México age. Nosso saldo comercial bilateral com os mexicanos tem se ampliado. Em autos e peças, onde já fomos superavitários até 2008, temos hoje um déficit de cerca de US$1,5 bi. Esse negativo deve aumentar em 2013, pelos incentivos que damos ao consumo interno, aliados aos obstáculos às exportações brasileiras. Não encaramos o tema da competitividade como essencial. Já os mexicanos são o primeiro emergente a bater de frente contra a China. Certamente, com alguma inspiração norte-americana.

Ed.82

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…