Perspectiva negativa para a zona do euro

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A perspectiva da OCDE, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, não é nada animadora para a zona do euro. Em seu último relatório, a OCDE reviu para baixo as previsões de crescimento da região de 1,2% para 0,8% em 2014. Segundo a organização, a recuperação “mantém-se decepcionante”, particularmente no caso da Alemanha, que agora projeta um crescimento de 1,5%, França crescendo apenas 0,4% e a Itália, com projeção de queda do PIB de 0,4%.

O que a OCDE aponta em seu último relatório, além da revisão para baixo do PIB na região, é que a baixa inflação nos países da moeda única continua a ser uma das principais ameaças à recuperação econômica e criação de empregos. Essa visão sobre o cenário na zona do euro reflete-se também nas perspectivas de crescimento para 2015. Agora a previsão para o próximo ano é de crescimento de 1,1%, queda de 0,6 ponto percentual sobre o relatório anterior. Embora o crescimento verificado em alguns países periféricos seja importante, essas economias ainda enfrentam desafios estruturais e fiscais, além de elevados níveis de dívida. Já a evolução das principais economias da zona do euro não responde de forma positiva. A confiança se enfraquecendo e a queda da demanda reflete-se na baixa inflação, que está perto de zero, mas já é negativa em alguns países. Neste cenário o BCE, que já tinha baixado as taxas de juros e liberado recursos para empresas não financeiras, reforçou essas políticas na última reunião. No entanto, sobra dinheiro e falta disposição para emprestar na Europa. Com o agravamento das relações com a Rússia, as vendas europeias tendem a cair mais. Com a União Europeia representando quase 20% das nossas exportações e com a queda das commodities, o cenário de 2015 para o setor externo brasileiro não será nada fácil.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…