Petróleo continua em queda

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Esta é uma semana importante para o mercado de petróleo. Na quinta-feira, a OPEP se reúne em Viena para definir se vai reduzir a produção dos atuais 30,25 milhões de barris por dia para 30 milhões. Embora alguns ministros de países produtores tenham afirmado que não haverá, necessariamente, um corte, a OPEP está muito pressionada pela elevada oferta não só de petróleo, como também, e principalmente, do gás de xisto proveniente dos EUA.

Alguns analistas do mercado do petróleo afirmam que os preços podem cair para 60 dólares por barril se a OPEP não fechar um acordo para um corte significativo de produção. Os contratos de petróleo acumulam uma perda de 40% desde junho, o que tem afetado o orçamento de países exportadores como a Nigéria, Venezuela e Rússia. Se a OPEP baixar a produção para defender sua rentabilidade pode, no curto prazo, sustentar alguma recuperação do preço. Por outro lado, uma eventual corte da produção poderia levar o cartel a perder quota de mercado face às empresas americanas. Na verdade, não só o petróleo tem tido queda de preços, várias commodities agrícolas e minerais têm sofrido redução substancial de valor. A menor procura global do ouro, por exemplo, resultado da perda da atratividade como ativo de refúgio, registrou o menor preço em quatro anos no início deste mês. As quedas acentuadas das commodities é o resultado da diminuição da excessiva liquidez fornecida pelos Bancos Centrais das principais economias, liderados pelos EUA e pela antecipação da expectativa de alta das taxas de juros americanas, que deverá continuar a ter impacto negativo sobre todas as commodities.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…