Política fiscal sem rumo

Por Yan Cattani

Apesar de na atual conjuntura econômica estarmos vivenciando verdadeiros flashbacks da situação enfrentada em meados da década de 80, alguns pontos são diferentes e ainda se distanciam bastante dos tempos de outrora.

A construção da recente estabilidade econômica brasileira iniciou-se com o que os economistas chamam de “tripé econômico”. A ideia consiste em sinalizar ao mercado o cumprimento de 3 objetivos: metas de inflação, não-intervenção no câmbio e organização das contas públicas.

É certo que a política econômica nos últimos anos não tem seguido à risca tais objetivos, mas especificamente para as contas públicas, pode-se dizer que estamos não só não cumprindo promessas, como retroalimentando um sistema que pode dar fim a todo e qualquer traço de estabilidade que ainda possuímos.

De acordo com os dados divulgados hoje pelo Banco Central, o resultado fiscal consolidado registrou um déficit primário do setor público no valor de R$ 125,1 bilhões nos resultados acumulados em 12 meses, ou equivalente a 2,11% do PIB. Este é o pior resultado para o mês de fevereiro desde o início da série histórica (em 2001) e evidencia a deterioração ainda crescente nas contas públicas. Já a dívida bruta do setor público também continua crescendo e atingiu 67,6% do PIB, consistindo também em novo recorde serial.

O resultado negativo das constas fiscais consiste em basicamente três pontos. O primeiro está relacionado ao caráter cíclico da arrecadação, isto é, com queda da atividade econômica a coleta de tributos também diminui. Um segundo ponto deriva do atual movimento do ciclo de aperto monetário, que acaba por elevar os gastos com o pagamento de juros (em 2 anos a Selic praticamente dobrou, passando de 7,25% em abril de 2013 para atuais 14,25).

Por fim, pode-se dizer que o nível de gastos de custeio da administração direta e indireta continua elevado. Desta maneira, tais fatores contribuem de forma decisiva para deterioração crescente do resultado fiscal, fator que poderá se intensificar caso não seja revertida algumas dessas pontuações.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…