Política para o setor elétrico continua impactando o bolso do consumidor

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel – aprovou ontem uma elevação de 46,14% na tarifa de Itaipu, administrada pela Eletrobrás. A tarifa passa de US$ 26,05 por KW para US$ 38,07 KW. Esse reajuste vai impactar em um aumento de 4 pontos percentuais nas contas de energia elétrica dos consumidores das distribuidoras que atendem as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste abastecidas pela usina. Não será apenas o reajuste de Itaipu que será repassado aos consumidores. Outro impacto será o repasse dos financiamentos bancários que ajudaram as distribuidoras a arcar com despesas como a compra de energia no mercado de curto prazo, que somaram R$ 17,8 bilhões. O diretor-geral da Aneel estima esse repasse em 8 pontos percentuais por distribuidora em 2015. Portanto, a projeção é de um aumento de 12% nas contas de energia elétrica no próximo ano, que ainda assim não considera outros itens que também oneram a conta de luz, como a remuneração dos investimentos e os encargos setoriais que bancam programas sociais do governo federal. Este ano, o aumento médio de energia elétrica foi de 17,38%.

Em janeiro de 2013 o governo rebaixou o preço da energia elétrica, num momento em que os reservatórios estavam perigosamente baixos e, portanto, não havia energia barata para ser produzida para atender a demanda. O resultado foi acionar as usinas térmicas a todo vapor, a preços cada vez mais altos. O preço da energia voou para os ares enquanto o baixo preço na ponta consumidora induzia maior consumo. O resultado dessa política desastrada para o setor elétrico, com o consequente desequilíbrio entre oferta e demanda, foi um emaranhado regulatório com as 20 medidas provisórias, decretos presidenciais e resoluções nesses dois anos após a publicação da MP 579 e uma conta próxima a R$ 100 bilhões que terá que ser paga pelos contribuintes quer via impostos, quer aumento das tarifas. Continuamos com uma crise de escassez de oferta, dado o baixo nível dos reservatórios, mesmo com todas as termelétricas ligadas e o fraco crescimento da demanda em função do PIB baixo. Os efeitos da crise do setor elétrico na economia só não serão piores porque a atividade econômica deverá permanecer fraca em 2015. Ainda assim, o agravamento da estiagem poderá trazer consequências perversas.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC leva consulta de CPF e palestra de orientação financeira ao I Tratamento do Superendividado no Jaraguá

No I Tratamento do Superendividado na Periferia, promovido pela Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, por meio do Procon-SP e do Centro de Integração da Cidadania, que acontecerá na próxima sexta-feira, dia 28 de julho, no bairro do Jaraguá, em São Paulo, a Boa Vista SCPC estará presente com uma série de serviços…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 0,7% no 1º semestre, segundo Boa Vista SCPC

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 0,7% no 1º semestre de 2017, em comparação ao 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação interanual, junho apresentou estabilidade nos dados, enquanto nos valores acumulados em 12 meses (julho de 2016 até junho…

Movimento do Comércio cai 3,2% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, caiu 3,2% no acumulado no ano (1º semestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12…