416

Preço do ouro perde força

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O ouro, um dos metais mais especulados durante os anos da crise financeira mundial, segue agora num percurso inverso. O metal atingiu sua máxima em setembro de 2011, cotado a US$ 1.920 por onça. Desde então, teve quedas até se estabilizar nos US$ 1.290, recuando mais de 30%. Os compradores do metal esperavam ver os efeitos do aumento dramático da liquidez, criada pelo FED, se perpetuar em altas sucessivas de preços de commodities.

Variadas commodities minerais e agrícolas duplicaram e triplicaram seus preços. Essa alta sem precedentes nos preços das commodities, que durou mais de uma década, parece estar perdendo força. O ouro está há algum tempo abaixo do nível psicológico de US$ 1.300 por onça-troy e 7% abaixo das máximas do ano. A desaceleração do PIB chinês é apontada como motivo principal do recuo dos preços das commodities. Minério de ferro, soja e milho tiveram recuo importante nos preços. Para o Brasil, significa uma queda surpreendente nas receitas das commodities, que já se faz sentir na balança comercial. A economia chinesa deve crescer em patamares inferiores ao passado. O FED segue reduzindo as compras de títulos, principal razão da substancial elevação dos preços das commodities. O cenário indica a continuidade no recuo dos preços.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…