416

Preço do ouro perde força

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O ouro, um dos metais mais especulados durante os anos da crise financeira mundial, segue agora num percurso inverso. O metal atingiu sua máxima em setembro de 2011, cotado a US$ 1.920 por onça. Desde então, teve quedas até se estabilizar nos US$ 1.290, recuando mais de 30%. Os compradores do metal esperavam ver os efeitos do aumento dramático da liquidez, criada pelo FED, se perpetuar em altas sucessivas de preços de commodities.

Variadas commodities minerais e agrícolas duplicaram e triplicaram seus preços. Essa alta sem precedentes nos preços das commodities, que durou mais de uma década, parece estar perdendo força. O ouro está há algum tempo abaixo do nível psicológico de US$ 1.300 por onça-troy e 7% abaixo das máximas do ano. A desaceleração do PIB chinês é apontada como motivo principal do recuo dos preços das commodities. Minério de ferro, soja e milho tiveram recuo importante nos preços. Para o Brasil, significa uma queda surpreendente nas receitas das commodities, que já se faz sentir na balança comercial. A economia chinesa deve crescer em patamares inferiores ao passado. O FED segue reduzindo as compras de títulos, principal razão da substancial elevação dos preços das commodities. O cenário indica a continuidade no recuo dos preços.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…