Pressão maior da inflação deve impactar o crescimento em 2014

Por Marcel Caparoz / Everton Carneiro, da RC Consultores

No último Relatório Trimestral de Inflação, divulgado na segunda-feira (30 de setembro de 2013), o Banco Central indicou inflação (IPCA) de 5,8% para o final de 2013. A previsão é 0,2 p.p. (pontos percentuais) acima da que constava no último relatório. Para 2014, a previsão é de 5,7%. O relatório aponta que, por um lado, a recente desvalorização cambial (10,6% acumulada em 2013) deve inflar os preços, o que já começa a ser sentido nos índices de preços do atacado e deve chegar ao consumidor, ainda que parcialmente, em breve. Em sentido oposto, os altos índices atingidos no segundo semestre de 2012 fornecem uma base de comparação mais elevada, o que deve facilitar a contenção de preços.

No entanto, é preciso observar a grande, e crescente, distância entre preços administrados e livres no IPCA. Há cerca de um ano, em agosto de 2012, os preços administrados apresentavam variação acumulada em 12 meses de 3,15%, enquanto os livres, 5,97%. Em agosto de 2013 a variação acumulada em 12 meses dos preços livres alcançou patamar de 7,65%, acima do teto da meta, enquanto os preços monitorados caíram para meros 1,26%, a menor variação acumulada da série histórica, iniciada em 1994. A pressão por um reajuste nos preços da gasolina é a mais notória, mas não a única força que tenta impulsionar os preços administrados. Diante de níveis tão baixos, é improvável que o governo possa segurar tais preços indefinidamente. Um ajuste dos preços administrados ao longo de 2014 para um patamar de 4,0% levaria a inflação para 6,6%, acima do teto da meta. O mercado já absorve esta dificuldade em conter a inflação, com elevação das cotações dos contratos futuros de DI. O vencimento (janeiro de 2014) passou de 9,24% há uma semana para 9,38% hoje. Se tal cenário se confirmar, será necessário um ajuste ainda maior da Selic, levando a taxa para a casa de dois dígitos, o que comprometerá ainda mais o crescimento econômico em 2014.

Ed.283

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atingiu 2,06% em fevereiro, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,06% em fevereiro, registrando diminuição em relação a fevereiro de 2016, quando alcançou 2,22%. O percentual de cheques devolvidos sobre movimentados também recuou na comparação mensal (em janeiro o nível foi de 2,07%), sendo o resultado…

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% em fevereiro

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% em fevereiro, na avaliação dessazonalizada contra janeiro, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Contudo, na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,5%,…

Movimento do Comércio cai 1,0% em fevereiro, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), apontam que o Movimento do Comércio caiu 1,0% em fevereiro, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017) houve queda de 3,8% frente aos 12 meses antecedentes. Já na…