Procrastinação à grega

Por Bruna Martins e Flávio Calife, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

Ontem, em meio às negociações de um novo acordo de financiamento entre a Grécia e os demais países da Zona do Euro, o governo grego solicitou um pedido de prorrogação de seis meses do acordo de financiamento de € 172 bilhões, que venceria no fim deste mês. Segundo a carta enviada pelos gregos, os empréstimos ajudariam a “estabilizar a posição fiscal da Grécia, atingir superávits primários apropriados, garantir a estabilidade da dívida e ajudar no cumprimento das metas fiscais de 2015 que levam em consideração a atual situação econômica”. De imediato, a Alemanha rejeitou o pedido de extensão da dívida com o argumento de que o país não especificou como manteria o equilíbrio fiscal e promoveria o combate à evasão fiscal, chegando a afirmar que o pedido da Grécia é um “cavalo de Troia”.

Desde a ascensão do partido de esquerda grego ao poder, o Syriza defendeu a ideologia antiausteridade como solução para a recessão econômica em que o país vive desde a crise de 2009. Os gastos públicos dariam fôlego para a economia começar a superar o péssimo desempenho que apresenta, como os indicadores sociais, de desemprego e de renda. Essas premissas defendidas pelo partido seriam incompatíveis com o equilíbrio fiscal prometido em troca de prorrogação da dívida.

Para alguns líderes europeus, a Grécia deveria se espelhar nos exemplos de Portugal, Espanha e Irlanda, que superaram graves crises de endividamento implementando reformas estruturais de grande alcance ao mesmo tempo em que cortaram déficits orçamentários de forma sustentável. O primeiro ministro de Portugal declarou hoje que é “inaceitável” aceitar mais ajuda à Grécia sem garantias de ressarcimento. O pedido de prorrogação foi interpretado mais como uma tentativa de procrastinar o empréstimo do que uma proposta de reequilíbrio fiscal, o que poderia contaminar as políticas de outros países. Além da tentativa de resgatar a Grécia, a preocupação maior é o de evitar fortalecimento de posições antiausteridade na Europa.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atingiu 2,06% em fevereiro, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,06% em fevereiro, registrando diminuição em relação a fevereiro de 2016, quando alcançou 2,22%. O percentual de cheques devolvidos sobre movimentados também recuou na comparação mensal (em janeiro o nível foi de 2,07%), sendo o resultado…

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% em fevereiro

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% em fevereiro, na avaliação dessazonalizada contra janeiro, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Contudo, na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,5%,…

Movimento do Comércio cai 1,0% em fevereiro, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), apontam que o Movimento do Comércio caiu 1,0% em fevereiro, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017) houve queda de 3,8% frente aos 12 meses antecedentes. Já na…