Protecionismo às antigas

Por Yan Cattani, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

A indústria automobilística possui importante agenda nesta semana. Amanhã, Brasil e México deverão reunir-se em Brasília para decidir o futuro do comércio de veículos entre os países. Desde 2012, o Brasil optou por colocar uma cota de importação para os veículos mexicanos, que cresciam exponencialmente à época. A medida causou a redução das exportações mexicanas ao Brasil, motivo pelo qual o México quer retomar o modelo anteriormente estabelecido, o de livre comércio entre os países.

A atual medida estabeleceu uma cota de US$ 1,45 bilhões em 2012, US$ 1,56 bilhões em 2013 e US$ 1,64 bilhões em 2014, esta última válida até o dia 15 de março deste ano. Caso excedidos os valores, fato consumado durante os últimos 3 anos, o consumidor que ainda assim desejar obter um veículo oriundo do México deverá pagar 35% de importação, além de correr o risco de uma tributação excedente em mais 30 pontos percentuais, caso o veículo não esteja de acordo com as normas do regime denominado “Inovar Auto”. Este último programa, estabelecido pelo MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) é considerado uma medida protecionista, que visa o fortalecimento da cadeia produtiva do país, estabelecendo que 40% do produto final montado no Brasil deve possuir conteúdo nacional – medida que na década de 60 seria denominada “programa de substituição de importações”, de cunho econômico desenvolvimentista.

A própria indústria nacional de veículos já se mostrou indiferente quanto à continuidade das cotas, uma vez que o dólar encarecido por si só compensaria substancialmente as barreiras de importação. Além disso, a medida viria como uma boa compensação das perdas aferidas pela produção nacional nos últimos anos: uma vez que a cadeia de produção de veículos na América Latina é complementar – isto é, os veículos mexicanos em sua grande maioria não competem com os brasileiros – as grandes montadoras lucrariam ainda menos caso haja continuidade das cotas. O episódio acaba por trazer um novo desalinhamento para as políticas econômicas do país. Por um lado, uma Fazenda e um ministério do Planejamento acenando com políticas ortodoxas, liberais e melhor enquadradas em uma economia globalizada. Por outro, uma política de desenvolvimento regionalista, ainda imersa em laços praticamente clientelistas.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…