Protesto jovem obriga releitura do Governo e do País

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Ao menos 230 mil pessoas, em grandíssima maioria, jovens de classe média, saíram às ruas ontem em 12 estados brasileiros. A estimativa do número de participantes é do jornal O Estado de São Paulo. Ao colocar “ao menos” na estimativa, o Estadão acerta. Testemunhamos da janela alta do nosso prédio, na Av. Berrini, e em seguida acompanhamos na rua a marcha pacífica, e até bem humorada, de uma enorme massa humana. O mar de gente ultrapassou 150 mil apenas no segmento que desfilou pela Marginal, Berrini e pontes Estaiada e do Morumbi. Somados aos manifestantes na Av. Paulista e em outros pontos de São Paulo, além dos estimados 100 mil no Rio de Janeiro, os manifestantes de ontem, no Brasil inteiro, seguramente ultrapassaram a marca de 300 mil.

A geração “me-me” mostrou sua cara. É fortemente apartidária, é focada em demandas bem específicas, é enquadrável em regras, mas não tolera ser sufocada. E perdeu a paciência com os excessos midiáticos de um País que não consegue falar de si mesmo com um mínimo de sinceridade e objetividade. Observei, em especial, dois aspectos na marcha: o grito contra os enormes gastos esportivos, apesar do apelo maciço da mídia ao patriotismo futebolístico, e a indiferença total dessa geração a palavras de ordem ideológicas. Carregavam-se cartazes de tudo, inclusive pela redução dos impostos. Impressionante ver a massa de jovens respeitando vidraças indefesas de bancos, painéis de grandes corporações, multinacionais, sem um arranhão ou grito de protesto. Em uma rápida releitura do País, diria que o povo amadureceu e exige menos mídia e mais clareza dos governantes. E que a porta para novas e boas propostas esteja escancarada para 2014. Isso não é nada negativo. O “rating” político-social do País subiu.

Ed.208

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas aumentou 6,6% no 1º trimestre de 2017, segundo Boa Vista SCPC

No 1º trimestre de 2017 o número de novas empresas cresceu 6,6% em relação ao mesmo período de 2016 (análise interanual), segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em relação ao 4º trimestre de 2016 houve aumento de 29,2%. Forma jurídica Na análise por classificação de forma…

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…