A próxima vítima

Por Flávio Calife e Juliane Mazetti, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC.

O ajuste fiscal em curso desde o final do ano passado continua a fazer suas vítimas. Depois dos ajustes sobre o seguro-desemprego, abonos salariais, pensões por morte e do aumento de impostos sobre alguns setores, novas medidas foram anunciadas na sexta-feira (27/02). Entre elas o aumento das alíquotas da contribuição previdenciária, a redução do benefício fiscal para exportadores e os limites para os desembolsos com o PAC. Mas sem dúvida, a que mais gerou polêmica foi o desmanche de uma das políticas mais emblemáticas do último governo: a desoneração da folha de pagamentos. Classificando-a como “grosseira”, o ministro da Fazenda aumentou a tensão no governo e em sua relação com o Congresso.

Segundo o ministro, as políticas são muito custosas e não têm contribuído para criar ou manter empregos. Cada emprego se aproximaria de R$ 100 mil por ano e a “brincadeira” inteira estaria custando mais de R$ 25 bilhões aos cofres públicos. Estimativas mostram que esses ajustes devem possibilitar um superávit primário de 0,7% a 1% do PIB. O ministro, no entanto, acredita que as medidas anunciadas até agora serão suficientes para garantir o cumprimento da meta estipulada de 1,2%.

Embora necessários, os atuais ajustes não devem ajudar a retomada do crescimento da atividade econômica. Pelo contrário, empresas e investimentos já estão sendo afetados e diminuirão sua possibilidade de arrecadar neste ambiente hostil, dada a baixa de expectativa de crescimento da economia (-0,58% de acordo com o relatório Focus de hoje).

O ministro deixou claro que, se o comportamento da receita ficar abaixo do esperado, novos ajustes poderão ser aplicados. Tudo indica que a economia não vai ajudar e mais medidas restritivas deverão aparecer para fechar a conta. A dúvida que paira é: quem será a próxima vitima?

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…