Queda da indústria suscita dúvidas sobre retomada em 2015

Por Yan Cattani e Flávio Calife, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

Segundo o IBGE, a produção industrial caiu 3,2% em 2014, o pior resultado em 5 anos, bastante aquém do inicialmente previsto pelo mercado. Projeções realizadas no primeiro boletim Focus do BC do ano aguardavam alta de 1,5% para o setor. Mas, ainda que o resultado previsto se consolidasse, seria praticamente 1 p.p. abaixo da média histórica, de 2,4%, contabilizada entre 2004 e 2013.

O grande problema da indústria continua sendo a tal “falta de competitividade”. Este fator foi evidenciado após a deflagração da crise internacional no biênio 2008-2009. De 2004 até 2008, a média de crescimento do setor era 4,7%. Com exceção do ano de 2009, que apresentou queda de 7,1% no período, o crescimento médio desde 2010 até 2014 foi de apenas 0,7%.

A competitividade é bastante afetada pelo alto custo do trabalho que possuímos atualmente. Até 2009 pudemos até observar compatibilidade de um crescimento da indústria com expansão dos rendimentos. Mas, após a eclosão da crise financeira, a produtividade brasileira diminuiu, enquanto os rendimentos continuaram aumentando. Como a indústria encontra bastante dificuldade de repassar preços no produto final uma vez que o setor industrial concorre fortemente com produtos importados, as margens se contraem, minando as possibilidades de crescimento do setor. O efeito é ainda mais deletério se incluirmos o efeito inflação nestas contas.

Para este ano, o cenário macroeconômico dificilmente colaborará para uma retomada vigorosa do setor. Os custos do trabalho ainda seguem altos, os apertos monetário e fiscal devem agir na contramão dos investimentos dificultando as empreitadas da indústria. Assim, a recuperação por ora esperada pelo mercado, de 0,5%, se concretizada, será ocasionada principalmente devido a um efeito base de comparação, dado o péssimo desempenho obtido em 2014.
 

 

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…