Queda da indústria suscita dúvidas sobre retomada em 2015

Por Yan Cattani e Flávio Calife, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

Segundo o IBGE, a produção industrial caiu 3,2% em 2014, o pior resultado em 5 anos, bastante aquém do inicialmente previsto pelo mercado. Projeções realizadas no primeiro boletim Focus do BC do ano aguardavam alta de 1,5% para o setor. Mas, ainda que o resultado previsto se consolidasse, seria praticamente 1 p.p. abaixo da média histórica, de 2,4%, contabilizada entre 2004 e 2013.

O grande problema da indústria continua sendo a tal “falta de competitividade”. Este fator foi evidenciado após a deflagração da crise internacional no biênio 2008-2009. De 2004 até 2008, a média de crescimento do setor era 4,7%. Com exceção do ano de 2009, que apresentou queda de 7,1% no período, o crescimento médio desde 2010 até 2014 foi de apenas 0,7%.

A competitividade é bastante afetada pelo alto custo do trabalho que possuímos atualmente. Até 2009 pudemos até observar compatibilidade de um crescimento da indústria com expansão dos rendimentos. Mas, após a eclosão da crise financeira, a produtividade brasileira diminuiu, enquanto os rendimentos continuaram aumentando. Como a indústria encontra bastante dificuldade de repassar preços no produto final uma vez que o setor industrial concorre fortemente com produtos importados, as margens se contraem, minando as possibilidades de crescimento do setor. O efeito é ainda mais deletério se incluirmos o efeito inflação nestas contas.

Para este ano, o cenário macroeconômico dificilmente colaborará para uma retomada vigorosa do setor. Os custos do trabalho ainda seguem altos, os apertos monetário e fiscal devem agir na contramão dos investimentos dificultando as empreitadas da indústria. Assim, a recuperação por ora esperada pelo mercado, de 0,5%, se concretizada, será ocasionada principalmente devido a um efeito base de comparação, dado o péssimo desempenho obtido em 2014.
 

 

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas aumentou 6,6% no 1º trimestre de 2017, segundo Boa Vista SCPC

No 1º trimestre de 2017 o número de novas empresas cresceu 6,6% em relação ao mesmo período de 2016 (análise interanual), segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em relação ao 4º trimestre de 2016 houve aumento de 29,2%. Forma jurídica Na análise por classificação de forma…

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…