Queda das margens das empresas compromete investimentos

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Um estudo elaborado pelo Centro de Estudos do Instituto Brasileiro de Mercados de Capitais – Cemec/Ibmec – mostra que o recuo na poupança das empresas impactou na queda de 3 pontos percentuais do investimento no PIB entre 2010 e 2014. O estudo analisou os resultados de 741 empresas, abertas e fechadas, excluindo as empresas do grupo X, para não distorcer os resultados, entre 2010 e 2013. Nesse período, o lucro desse grupo caiu 40,6%. O lucro é a principal fonte de geração de poupança para financiar o investimento. Mesmo retirando do grupo a Petrobras, Eletrobrás e Vale, o recuo, embora menor, ainda é importante: 23%. A queda do lucro foi generalizada e os dois únicos setores nos quais ainda houve crescimento foram o agropecuário e serviços com aumento de 306,9% e 43,6%, respectivamente. Por outro lado, subsetores da indústria como o de mineração, o de siderurgia e metalurgia e o de eletroeletrônicos tiveram quedas de 66,8%, 58,9% e 45,9%, respectivamente. Nesse mesmo período, a poupança e o investimento desabaram simultaneamente nas contas nacionais. A poupança doméstica que em 2010 era 17,5% do PIB, em março deste ano ficou em 13,6%, a menor taxa desde 2001. O mesmo aconteceu com o investimento, que recuou de 19,5% em 2010 para 17,4% do PIB no terceiro trimestre deste ano.

O estudo mostra que o recuo do lucro das empresas foi provocado por uma retração muito forte nos resultados operacionais por causa da queda nas margens. Essas empresas não conseguiram repassar a alta de custos para os preços por causa da concorrência dos importados. Um dos fatores que provocou a redução das margens foi a alta dos salários reais acima da produtividade do trabalho. Entre 2004 e 2013, o salário médio real da indústria de transformação aumentou 36% e a produtividade do trabalho avançou 14%, sendo que a maior parte do crescimento real dos salários ocorreu a partir de 2010. O estudo mostra que os preços dos importados em reais cresceram muito menos do que o custo unitário do trabalho, influenciado pela apreciação do câmbio. De fato, a taxa de investimento no Brasil é muito baixa. O aumento do investimento depende dos lucros das empresas. O aumento do salário real acima da produtividade de um lado e a elevada carga tributária do outro comprometem as margens das empresas. A tributação excessiva e a complexa estrutura de impostos na mão de obra, nos bens de capital, nos insumos, na energia, fazem explodir o custo de produção. Para que o país possa ser mais competitivo é necessário e urgente desonerar e simplificar o Brasil.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…