Queda das margens das empresas compromete investimentos

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Um estudo elaborado pelo Centro de Estudos do Instituto Brasileiro de Mercados de Capitais – Cemec/Ibmec – mostra que o recuo na poupança das empresas impactou na queda de 3 pontos percentuais do investimento no PIB entre 2010 e 2014. O estudo analisou os resultados de 741 empresas, abertas e fechadas, excluindo as empresas do grupo X, para não distorcer os resultados, entre 2010 e 2013. Nesse período, o lucro desse grupo caiu 40,6%. O lucro é a principal fonte de geração de poupança para financiar o investimento. Mesmo retirando do grupo a Petrobras, Eletrobrás e Vale, o recuo, embora menor, ainda é importante: 23%. A queda do lucro foi generalizada e os dois únicos setores nos quais ainda houve crescimento foram o agropecuário e serviços com aumento de 306,9% e 43,6%, respectivamente. Por outro lado, subsetores da indústria como o de mineração, o de siderurgia e metalurgia e o de eletroeletrônicos tiveram quedas de 66,8%, 58,9% e 45,9%, respectivamente. Nesse mesmo período, a poupança e o investimento desabaram simultaneamente nas contas nacionais. A poupança doméstica que em 2010 era 17,5% do PIB, em março deste ano ficou em 13,6%, a menor taxa desde 2001. O mesmo aconteceu com o investimento, que recuou de 19,5% em 2010 para 17,4% do PIB no terceiro trimestre deste ano.

O estudo mostra que o recuo do lucro das empresas foi provocado por uma retração muito forte nos resultados operacionais por causa da queda nas margens. Essas empresas não conseguiram repassar a alta de custos para os preços por causa da concorrência dos importados. Um dos fatores que provocou a redução das margens foi a alta dos salários reais acima da produtividade do trabalho. Entre 2004 e 2013, o salário médio real da indústria de transformação aumentou 36% e a produtividade do trabalho avançou 14%, sendo que a maior parte do crescimento real dos salários ocorreu a partir de 2010. O estudo mostra que os preços dos importados em reais cresceram muito menos do que o custo unitário do trabalho, influenciado pela apreciação do câmbio. De fato, a taxa de investimento no Brasil é muito baixa. O aumento do investimento depende dos lucros das empresas. O aumento do salário real acima da produtividade de um lado e a elevada carga tributária do outro comprometem as margens das empresas. A tributação excessiva e a complexa estrutura de impostos na mão de obra, nos bens de capital, nos insumos, na energia, fazem explodir o custo de produção. Para que o país possa ser mais competitivo é necessário e urgente desonerar e simplificar o Brasil.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Para 46% dos consumidores, o Cadastro Positivo tem como principal benefício auxiliar na obtenção de crédito e contratação de financiamentos

Em pesquisa inédita com consumidores de todo o Brasil, a Boa Vista SCPC identificou que para 46% dos entrevistados, o Cadastro Positivo tem como principal objetivo auxiliar na obtenção de crédito e na contratação de financiamentos. Outros 26% acreditam que o banco de dados com informações positivas sobre consumidores classifica de forma mais assertiva e…

Movimento do Comércio sobe 2,2% em agosto

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 2,2% em agosto quando comparado a julho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (setembro de 2016…

Boa Vista SCPC reúne especialistas para debater avanços e benefícios econômicos do Cadastro Positivo

A Boa Vista SCPC recebeu autoridades como Oscar Madeddu, do Banco Mundial, João André Pereira, do Banco Central do Brasil e César Calomino, da Equifax do Uruguai, para falar sobre o Cadastro Positivo e os seus impactos econômicos e sociais, inclusive em países em desenvolvimento onde já é uma realidade. Estes convidados também salientaram a…