Racionamento e Copom pioram as expectativas de mercado

Por Flávio Calife, Bruna Martins e Yan Cattani, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

O primeiro relatório Focus de fevereiro divulgado hoje pelo Banco Central mostra que a perspectiva dos analistas sobre as principais variáveis da economia piorou com relação às projeções realizadas no início do ano. A expectativa de crescimento da economia para este ano passou de 0,5% para praticamente estabilidade, 0,03%, enquanto as projeções para o IPCA, indicador oficial da inflação, passaram de 6,56% para atuais 7,01%, mudanças que podem ser consideradas significativas dado o pequeno intervalo entre os relatórios.

Uma possível explicação para a brusca mudança das expectativas se deve à divulgação da ata do Copom semana passada, que piorou o humor relativo à inflação passando a contemplar um número mais “realista” para o conjunto de preços administrados por contrato e monitorados – variação de 9,3% em 2015, contra 6,0% considerados na reunião de dezembro. A projeção considera elevação de 8% no preço da gasolina, de 3,0% no preço do gás de botijão, de 0,6% nas tarifas de telefonia fixa e de 27,6% nos preços da energia elétrica.

Essas projeções em conjunto com a alta recente do dólar praticamente acabam com a possibilidade de recuo da Selic, hoje em 12,25%. Apesar do relatório de hoje projetar uma alta da taxa para 12,5%, o cenário pode exigir uma elevação mais acentuada da taxa, fator que pode desincentivar ainda mais os investimentos. O quadro pode ainda se agravar com o provável racionamento de água e de energia. É muito difícil mensurar o impacto do racionamento em alguns setores da economia, como o setor de serviços, por exemplo, que representa mais de dois terços do PIB. A depender dos efeitos do racionamento, algumas consultorias já têm divulgado expectativas, apontando queda de 0,5% a 2% do PIB em 2015. Não será surpresa caso as próximas projeções tragam notícias mais pessimistas.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Demanda por Crédito do Consumidor cai 0,7% no 1º semestre, segundo Boa Vista SCPC

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 0,7% no 1º semestre de 2017, em comparação ao 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação interanual, junho apresentou estabilidade nos dados, enquanto nos valores acumulados em 12 meses (julho de 2016 até junho…

Movimento do Comércio cai 3,2% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, caiu 3,2% no acumulado no ano (1º semestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12…

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…