Rebaixamento de nota não deve ter grande impacto nos mercados

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A agência de classificação de risco S&P rebaixou a nota de crédito do Brasil de BBB para BBB-, o último nível considerado como grau de investimento. O argumento central da agência é a questão fiscal. Em nota, a S&P diz que “apesar da recente reprogramação orçamentária, será difícil atingir a meta de 1,9% do superávit primário sem recurso de receitas extraordinárias. A implementação das medidas recentes anunciadas para evitar as perdas do setor elétrico, sem ter aumentado a tarifa de energia em ano eleitoral, será desafiadora.” A agência rebaixou também as notas das estatais Petrobras e Eletrobras para BBB-.

Embora tenha sido surpresa neste momento, o anúncio da nota BBB- não deve ter grande impacto nos mercados, uma vez que o rebaixamento já estava precificado nos ativos brasileiros. O fato da agência manter a nota estável, sem perspectiva negativa, indica que não haverá perda de grau de investimento a curto prazo. O corte na nota também não deve prejudicar gravemente a estratégia do Tesouro de fazer uma emissão de bônus no mercado europeu. Embora o argumento da questão fiscal e crescimento baixo possam ser usados como justificativa para o rebaixamento, a verdade é que a nota BBB da agência de classificação americana não parecia adequada. As despesas correntes crescendo acima do PIB há anos, o perfil da dívida pública, a taxa de investimentos abaixo do desejável no Brasil, os precatórios e a alta e complexa carga tributária são alguns dos fatores que não são compatíveis com nota de risco de crédito BBB.

Ed.387

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…