Recuo do crédito dos bancos públicos irá se refletir no varejo

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

Nos últimos dias ganhou força o cenário de uma redução da presença dos bancos públicos no mercado brasileiro de crédito. Em agosto de 2013, o estoque de crédito dos bancos públicos já era maior que o dos privados, com a quantia total de R$ 1,31 tri, enquanto dos privados somava R$ 1,27 tri. O estoque de crédito com recursos direcionados (Imobiliário e BNDES), que apresentam forte presença de bancos públicos, crescia em agosto de 2011 o equivalente a 21% a.a., enquanto que os recursos livres registrava alta de 18%. Hoje, após dois anos, os recursos livres recuaram para um crescimento de 8,8%, enquanto os direcionados avançaram para uma taxa de 27%.

No período pós-crise, o crescimento das linhas de crédito com recursos públicos foram fundamentais para preencher o espaço deixado pelos bancos privados, que cortaram drasticamente as concessões neste período. No entanto, a agressividade dos bancos públicos acabou gerando uma demanda que não existia no mercado, em função do alongamento dos prazos e da redução das taxas de juros muito além da média do mercado. Este vazio que será criado agora com o recuo dos bancos públicos não deverá ser preenchido pelos bancos privados, o que implicará na redução das concessões para grupos de maior risco de crédito, principalmente aqueles voltados para o consumo da nova classe C. O varejo que já demonstra perda de dinamismo, deverá sofrer ainda mais em 2014.

Ed.281

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…