Revisão do Orçamento estima receita extra

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Mais uma vez o governo recorre a receitas extraordinárias para fechar as contas. Novo decreto com a programação do Orçamento para este ano aponta uma arrecadação extra de R$ 24,3 bilhões, sendo que mais da metade desse valor, R$ 12,5 bilhões, com ampliação dos programas de parcelamento de dívidas tributárias, conhecidos como Refis. Para cumprir com a meta de superávit primário, além dos recursos do Refis, o governo também conta com outras duas fontes: arrecadação com as concessões de serviços públicos e as receitas das estatais. No entanto, o governo ainda precisa definir como pretende cobrir os R$ 4 bilhões adicionais com subsídios às contas de luz, não citada na revisão orçamentária.

Nenhuma palavra sobre o lado das despesas. O gasto do governo continua crescendo em velocidade maior que a expansão do PIB. O crescimento médio das receitas nos últimos cinco anos foi de 10,7% enquanto as despesas avançaram 12,7%. Essa expansão da despesa, no entanto, não alargou os recursos para investimentos. É urgente se introduzir uma regra legal de controle da despesa pública total que impeça o ajuste do superávit com aumentos sucessivos de tributos e de carga.

Ed.418

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…