Ritmo de elevação de preços dos imóveis perde força

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O índice FipeZap Composto, que mede o comportamento do preço médio do metro quadrado dos imóveis anunciados no portal Zap em sete cidades brasileiras, subiu 1% em agosto. No ano, a alta foi de 7,8%. Em São Paulo, no mesmo mês os preços subiram acima da média, com alta de 1,2%. Já em Belo Horizonte, em agosto, os preços regrediram 0,3%.

O ritmo de elevação dos preços anunciados vem perdendo força, não só em Belo Horizonte que teve uma variação negativa, mas também em Brasília e São Paulo. De janeiro de 2008 a agosto deste ano os preços dos imóveis na cidade de São Paulo subiram 181% e no Rio de Janeiro 225%. Bem mais que o IGPM que, no mesmo período, teve alta de 37,8%. Se comparado com o CDI, que acumulou uma alta de 72% no período, o ganho real em SP foi de quase 64% e no Rio de mais de 88%. A pergunta que não quer calar é se isso seria uma bolha ou é uma correção de preços que por muitos anos ficaram deprimidos. A diferença entre a alta geral dos preços e dos imóveis está se reduzindo, mas, por enquanto, as quedas nos preços nominais dos imóveis são exceções como em Belo Horizonte e Brasília. Se há uma bolha, ela começará a ser esvaziada pelas pequenas salas comerciais onde pode haver sobrepreço e elevados estoques. Tudo vai depender do comportamento da economia nos próximos anos. Se na hipótese do PIB não crescer como se espera e os investidores não conseguirem bancar os custos de manter imóveis fechados ou achar que os preços não voltam, a bolha pode começar a se esvaziar.

Ed.270

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…