Ruim para a China, pior para nós

Após passar três décadas com crescimento econômico médio anual de 10%, em meados do ano passado, a China formalizou sua intenção em desacelerar sua atividade econômica, de modo a atingir crescimento de 7% neste ano. Ainda longe de apresentar um crescimento à brasileira, o fato relevante para a economia internacional é que sua menor atividade compromete diretamente os países exportadores de commodities, entre eles o Brasil, uma vez que a China atualmente é um dos principais importadores de matéria-prima brasileira.

Os dados divulgados ontem mostraram o pior resultado em seis anos, com crescimento do primeiro trimestre de 7% frente ao mesmo período do ano anterior – à época, em plena crise mundial, o crescimento foi de 6,6%, mantida base de comparação. A elevação na margem, isto é, o crescimento do primeiro trimestre do ano frente ao último trimestre de 2014, foi de apenas 1,3%. Isto significa que em termos anualizados, o PIB expandiu somente 5,3%.

As autoridades chinesas têm se mostrado preocupadas com a situação, uma vez que a desaceleração em alguns setores ocorre de forma mais brusca que o desejado. Em março, a produção industrial avançou 5,6% frente ao mesmo mês do ano passado, bastante abaixo das projeções de mercado (7,0%). Mantida a base de comparação, no comércio as vendas também apresentaram resultado mais ameno que o consenso, +10,2%, ou seja, 0,7 p.p. abaixo do consenso de mercado. Além disso, as exportações – consideradas por muitos especialistas um dos principais indicadores antecedentes da economia chinesa – também apresentaram fortes contradições com as projeções, caindo 15% no mês frente ao mesmo período de 2014, ante a expectativa do mercado de elevação de 10% no período.

A China passa por uma série de ajustes institucionais que podem frustrar a meta econômica desejada deste ano. Dentre eles, destacam-se as medidas de combate a corrupção, reestruturação das indústrias de construção civil, controle da inflação, ajustes salariais, valorização cambial do Renminbi e talvez o mais importante, controle das finanças dos governos subnacionais. Enquanto estes impasses ainda estão longe de serem resolvidos, o governo já anuncia um plano de criação de 10 milhões de novos postos de trabalho este ano. Ruim para a China, pior para nós.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…