Rumos do varejo e crédito

Desde o início do ano, com a esperada retração econômica e desaceleração do mercado de crédito, as perspectivas sobre a inadimplência não eram das melhores. Mas de acordo com as últimas Notas de Política Monetária e Creditícia divulgadas pelo Banco Central (BC), a inadimplência tem se mostrado estável, permanecendo (até dados de junho) praticamente no mesmo nível desde o final do ano passado.

Este cenário encontra-se alinhado com as perspectivas avaliadas nas variáveis de risco de crédito, que possuem também relativa estabilidade. Neste raciocínio, a expectativa para o final do ano é de que haja ainda pequena elevação, uma vez que o baixo fluxo líquido de inadimplentes (contabilizando tanto aqueles que entram como os que saem da base de inadimplentes do SCPC) além de uma moderação dos indicadores de risco de crédito (tanto por parte dos ofertantes quanto dos demandantes), têm prevalecido frente às demais variáveis econômicas e não deverão impactar consideravelmente os níveis de inadimplência (estoque) na economia ainda neste ano.

No varejo, o diagnóstico para o final do ano é um pouco mais pessimista. Ante um cenário de inflação elevada, juros altos e deterioração acelerada do mercado de trabalho, os consumidores vêm se mostrando cada vez mais cautelosos em suas decisões de consumo, evitando novas dívidas e privilegiando a aquisição de bens e serviços indispensáveis. Após um primeiro semestre com vendas declinantes e níveis de confiança registrando recordes negativos, o setor já começa a dar alguns sinais de melhora na gestão: conforme aponta a Pesquisa de Estoques da FecomercioSP, o ajuste nas “prateleiras” em julho e o corte de custos já iniciado dão indícios de que os empresários parecem ter compreendido a dimensão e a duração da crise. O diagnóstico esperado para o varejo ainda é negativo para 2015, mas os ajustes nos estoques e nas despesas e a busca por produtividade podem garantir a sobrevivência de um maior volume de empresas do setor.

Estas são algumas das conclusões do Panorama do Varejo e Crédito de julho de 2015, boletim mensal gratuito, fruto da parceria entre a Boa Vista SCPC e a FecomercioSP.

foco

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atingiu 2,06% em fevereiro, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,06% em fevereiro, registrando diminuição em relação a fevereiro de 2016, quando alcançou 2,22%. O percentual de cheques devolvidos sobre movimentados também recuou na comparação mensal (em janeiro o nível foi de 2,07%), sendo o resultado…

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% em fevereiro

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% em fevereiro, na avaliação dessazonalizada contra janeiro, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Contudo, na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,5%,…

Movimento do Comércio cai 1,0% em fevereiro, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), apontam que o Movimento do Comércio caiu 1,0% em fevereiro, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (março de 2016 até fevereiro de 2017) houve queda de 3,8% frente aos 12 meses antecedentes. Já na…