Seca prolongada já afeta a safra de 2015 e impõe revisão de indicadores

Por Paulo Rabello de Castro e Marcel Caparoz, da RC Consultores

O prolongamento da estiagem no Centro-Sul do país (a situação nas áreas de plantio no Sul do país é inversa, por causa do excesso de chuvas, mas com efeito semelhante) começa a projetar um cenário de adversidade na oferta futura de grãos, relativa à safra 2015. Os preços de alguns grãos, especificamente soja, já apontaram alguma reação – 5% de alta nos 4 últimos leilões – indicando aos agricultores brasileiros um comportamento de preços menos desfavorável nos meses de comercialização. Distintamente de anos anteriores em que, a esta altura, uma boa parte da safra já estava semeada e, inclusive, pré-vendida, com trava de preços, desta vez menos de 10% da área semeável no Mato Grosso, maior produtor, se encontra plantada. Os agricultores esperam pela chuva, que ainda não veio em meio a um intenso calor em toda a região.

O efeito desse fenômeno climático sobre o abastecimento e comportamento futuro dos preços nos supermercados deveria ser matéria de preocupação da equipe econômica do próximo governo. A cadeia produtiva das carnes será afetada – já vem sendo, aliás – com seguidas altas nos preços das carnes preferidas pelo consumidor brasileiro. O impacto no IPA, e em seguida, no IPCA, não tardará a empurrar a trajetória da inflação ainda mais para fora do limite superior da meta. Os defensores da polêmica alta de juros para controlar a demanda privada e os preços em geral encontrarão “justificativas” para novas subidas da Selic. E a balança comercial poderá contar com menor oferta de produção agropecuária para suprir divisas necessárias à cobertura do crescente déficit nas contas correntes externas.

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…