Sem desalento e mais confiante

Por Yan Cattani

O desalento é uma situação do mercado de trabalho, em que após uma série de tentativas frustradas na busca por emprego, as pessoas acabam desistindo da procura e saem da força de trabalho, ou mais especificamente, da população economicamente ativa (PEA). A predominância do desalento é típica de países rotineiramente imersos em crise – como foi o Brasil da década de 80 e 90 – mas ainda não é uma situação condizente com o mercado de trabalho atual de nosso país.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), a taxa de ocupação no Brasil (TO) – que mede a porcentagem da população com idade de trabalhar que está efetivamente ocupada – manteve-se praticamente estável no resultado de abril, com queda de 0,1 p.p., alcançando o nível de 54,6%. Já a população economicamente ativa (PEA) manteve o ritmo de crescimento registrado ao longo dos três primeiros meses do ano, de 1,8% na comparação interanual. Com estes movimentos, o desemprego atingiu 11,2%, pois elevou-se tanto o número de desempregados como a demanda por postos de trabalho.

Mas é possível observar uma desaceleração do crescimento da PEA e estagnação da TO, movimentos que contribuem para o arrefecimento do atual movimento de alta da taxa de desemprego. Ainda longe do ideal, a análise já sinaliza uma pequena melhoria das condições do mercado de trabalho.

Este movimento de melhora não é descabido: indicadores recentes de confiança sinalizam de forma majoritária uma melhoria da percepção sobre a economia. Indicadores de Confiança dos setores de Serviços e da Indústria da Fundação Getúlio Vargas, divulgados hoje, apontaram a terceira elevação mensal consecutiva de ambos os índices, que até então encontravam-se no menor nível histórico de suas séries.

Ancorados nas expectativas de curto prazo, enquanto as medidas econômicas anunciadas pelo novo governo não passarem de sinalizações, dificilmente o nível de confiança será mantido. Mas, por ora, os resultados dessa nova conjuntura têm sido suficientes para desacelerar, ainda que timidamente, o ritmo de demissões e impedir o mercado de trabalho de entrar em uma “zona” do desalento.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…