Setor energético permanece pressionando o Governo

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

 

O Governo fará nesta semana um leilão de energia com o objetivo de reduzir o custo de compra pelas distribuidoras no mercado livre. Atualmente o preço neste mercado encontra-se no seu teto máximo de R$ 822,23 MW/h, resultado da elevação da participação da energia térmica, que é mais cara, na matriz energética brasileira. O custo da energia estipulado pelo Governo para o leilão está entre R$ 262 e R$ 271, com prazo de 5 anos de contrato.

O sucesso completo do leilão é de extrema importância para a questão fiscal do Governo, mas nem ele acredita nesta possibilidade. Atualmente as distribuidoras compram 3,5 mil MW no mercado livre, e devem continuar comprando grande parte desta energia mesmo após o leilão. Desta forma, estima-se que seja necessário uma injeção de caixa nas distribuidoras entre R$ 5 bilhões e R$ 9 bilhões por parte do Tesouro em 2014. E este valor é independente dos R$ 13 bi já previstos para cobrir o aumento dos gastos do setor no ano. A situação fiscal fica cada vez mais complicada, e a meta do superávit cada vez mais distante. Segundo o próprio Tesouro, em fevereiro de 2014 as receitas totais do Governo Central cresceram no acumulado em 12 meses o equivalente a 11,5% a.a., enquanto as despesas se elevaram em 14% a.a. Já o resultado primário ficou em apenas 1,4% do PIB, muito distante da meta de 1,9% no ano.

Ed.404                                                                                                                                                            

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…