Setor industrial continua dependente de renúncias fiscais

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A produção industrial avançou 1,5% em agosto com relação ao mês anterior, segundo o IBGE. No ano acumula retração de 3,4%. Dois dados chamam atenção. De um lado, embora o avanço da produção tenha sido abrangente, alcançando 20 subsetores, o aumento da produção no mês concentrou-se na indústria automobilística, cuja produção cresceu 3,2% estimulada pela perspectiva de retorno de um IPI cheio. Porém, a queda acentuada das vendas de automóveis em setembro justifica alguma cautela quanto à continuidade do crescimento. O provável aumento dos estoques fará com que as montadoras reduzam a produção. Por outro lado, um fato positivo foi o crescimento da produção de bens de capital, refletindo algum otimismo dos industriais.

A questão é se a recuperação em curso é sustentável. Na realidade, enquanto o governo não direcionar a política econômica para investimentos na infraestrutura, de forma a aumentar a competitividade.

Ed.42

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…