Situação da Petrobras cria impasse no governo

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A Petrobras anunciou ontem os resultados da empresa em 2012. O lucro de R$ 21,2 bilhões foi 36% menor em relação a 2011, o menor em oito anos. A dívida liquida cresceu 43% em relação ao ano anterior. O índice de endividamento calculado pela relação entre a dívida líquida e o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) passou de 1,66 para 2,77. O limite de 2,5 vezes estabelecido pela diretoria foi rompido no final do ano, levando a presidente Graça Foster a afirmar que a elevação de seu endividamento atingiu “níveis preocupantes”.

Esse resultado cria um impasse no governo. A presidente da Petrobras declarou que a queda do lucro líquido tem como um dos fatores a defasagem entre os preços da gasolina e do diesel importados e dos de revenda interna. Segundo Graça, o reajuste dado recentemente pelo governo foi insuficiente para eliminar a defasagem  e a convergência dos preços é fundamental para a previsibilidade do caixa. O ministro Mantega, por outro lado, sinalizou ontem que não há previsão de novo reajuste de preço dos combustíveis. O fato é que a política de contenção dos reajustes de preço dos combustíveis tem prejudicado o caixa da Petrobras e neste momento o governo tem pouca margem de manobra para aprovar novos reajustes.

Ed.120

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…