Superávit Primário fraco e elevação da SELIC pressionam resultado nominal

Por Thiago Custódio Biscuola / José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O superávit primário (economia para o pagamento de juros da dívida pública) foi de apenas 0,57% do PIB em julho, pior resultado para o mês desde 2010. O resultado acumulado em 12 meses atingiu 1,91% do PIB, ainda muito longe da meta perseguida pelo governo que é de 2,3% para este ano. As despesas com juros somaram R$ 23,3 bilhões, maior nível desde o início da série em 2002. Em 12 meses encerrados em julho, os gastos com os juros nominais alcançaram 4,91% do PIB. Com este resultado, o déficit nominal (superávit primário após pagamento de juros) aumentou para 3,0% do PIB em 12 meses. Ainda a pressionar os números está a situação das estatais federais e estaduais: de um superávit nominal de R$ 450,3 milhões em julho de 2012, elas passaram a um déficit nominal de R$ 264 milhões.

A perspectiva de um maior aperto monetário ainda este ano, com a elevação da taxa SELIC até o patamar de 9,5% a.a em dezembro de 2013, pressionará ainda mais os gastos com juros. A política fiscal expansionista deve se intensificar mais ainda em 2014 com as eleições, ampliando a necessidade de financiamento da máquina pública via emissão de títulos. Cenário externo ainda adverso somado aos diversos gargalos que assombram a competitividade da economia brasileira deve resultar em um crescimento econômico abaixo dos 4% esperados pelo Governo Dilma em 2014. A recomposição das contas públicas parece improvável. Nada indica que as receitas do Tesouro, da Previdência e do Banco Central superem as despesas.

Ed.263

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…