Suprema Corte americana agrava a já debilitada economia argentina

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A Suprema Corte dos EUA recusou o recurso da Argentina para tentar evitar o pagamento de US$ 1,33 bilhão a um grupo de credores de fundos hedge, mantendo decisões de instância inferior, da Justiça de Nova York, ordenando a Argentina a pagar. Num pronunciamento à nação na noite de ontem, a presidente Cristina Kirchner disse que o governo vai honrar o compromisso, mas considerou o pagamento uma extorsão. A decisão da Justiça americana pode abrir precedente para que outros credores que não aceitaram renegociar a dívida também exijam o mesmo tratamento. Neste caso, o pagamento total pode chegar a US$ 15 bilhões, cerca de metade das reservas internacionais da Argentina

A sentença de ontem poderá ter impacto sobre as emissões de dívidas soberanas. Os países podem decretar moratória em suas dívidas externas e fazer com que as regras de renegociação ocorram de forma próxima à lei local. A decisão da Suprema Corte americana negou à Argentina esse poder. As agências de classificação de risco deverão levar em conta, a partir de agora, esse risco. Para a Argentina, os danos na economia serão inevitáveis. As reservas argentinas giram em torno dos US$ 29 bilhões e a escassez de dólares deve exigir do governo medidas de mais restrições na importação. O Brasil deve sofrer consequências com essas restrições. Embora o recente acordo automotivo tenha trazido algum alívio nas relações entre os dois países, tudo indica que cada vez mais o Brasil vai ter dificuldade de exportar para o hoje importante mercado portenho.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…