Trajetória de alta

Após dois anos de relativa estabilidade, a inadimplência das empresas enfrenta um novo período de aceleração, ocasionada em essência por um cenário de forte incerteza econômica, com retração industrial, perspectiva de estabilidade do comércio, forte desaceleração do crédito, níveis altos de inflação, entre outros fatores. De acordo com os dados da Boa Vista SCPC (com abrangência nacional), a inadimplência das empresas aumentou 7,9% no primeiro trimestre de 2015 na comparação com o mesmo trimestre do ano passado.

Avaliando a tendência de longo prazo, isto é, os valores acumulados nos últimos 4 trimestres (segundo trimestre de 2014 até primeiro trimestre de 2015) frente aos 4 trimestres antecedentes, a inadimplência cresce de forma mais amena, com elevação de 5,7%. Já na avaliação trimestral frente ao último trimestre do ano passado, o aumento é de 3,1%, expurgados efeitos sazonais.

O indicador é um somatório dos principais mecanismos de apontamento de inadimplência empresarial, isto é, cheques devolvidos, títulos protestados e registros realizados na base da Boa Vista SCPC. Assim, apesar da tendência de longo prazo ainda não apresentar variações significativas como em outros períodos, podemos considerar o número como um alerta adicional para o empresário, dada a atual conjuntura macroeconômica.

O nível da inadimplência oficial, calculada pelo Banco Central (referente aos recursos livres destinados às empresas), até o fechamento de fevereiro também demonstrava trajetória de estabilidade. Mesmo com seu resultado trimestral ainda não consolidado e diferenças metodológicas entre o indicador oficial e o da Boa Vista SCPC (o primeiro é mensal e mede estoque de inadimplência enquanto o segundo é trimestral e mede fluxo), a tendência que o indicador de fluxo aponta sugere elevações futuras para inadimplência empresarial oficial. Sendo assim, nossa expectativa é que ao longo de 2015 o fluxo de empresas inadimplentes continue com tendência de alta e encerre o ano acima do patamar observado em 2014.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…