Tributação excessiva é responsável pelo elevado custo de energia no Brasil

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Levantamento realizado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) aponta o Brasil com a 11ª tarifa de energia elétrica mais elevada do mundo. O valor é 8,8% superior à média de uma lista de 28 países. A Índia lidera o ranking com o custo de energia mais cara do mundo, seguida da Itália. A China e os EUA têm os custos de energia menor em 25% e 47% do custo da média mundial, respectivamente. O principal fator pelo elevado custo da energia no Brasil é a tributação. Pelo estudo da Firjan, os impostos e contribuições federais e estaduais respondem por 36,6% da tarifa. Um estudo do Instituto Acende Brasil conclui, com base na análise dos balanços de 39 empresas, que 68% da riqueza gerada pelas corporações do setor elétrico é consumida com pagamento de tributos.

Seria hora de parar e tentar rever toda a atual abordagem do governo para o setor elétrico. A tributação excessiva e a complexa estrutura de impostos não só na energia, mas também nos insumos e nos bens de capital, fazem explodir o custo de produção, evidenciando a desvantagem competitiva do Brasil. Para que o país possa ser mais competitivo é necessário e urgente desonerar e simplificar o Brasil produtivo. Sem uma política consistente de desoneração será impossível ao Brasil se impor como um player importante na economia global.

Ed.368

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…