Tributação excessiva é responsável pelo elevado custo de energia no Brasil

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Levantamento realizado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) aponta o Brasil com a 11ª tarifa de energia elétrica mais elevada do mundo. O valor é 8,8% superior à média de uma lista de 28 países. A Índia lidera o ranking com o custo de energia mais cara do mundo, seguida da Itália. A China e os EUA têm os custos de energia menor em 25% e 47% do custo da média mundial, respectivamente. O principal fator pelo elevado custo da energia no Brasil é a tributação. Pelo estudo da Firjan, os impostos e contribuições federais e estaduais respondem por 36,6% da tarifa. Um estudo do Instituto Acende Brasil conclui, com base na análise dos balanços de 39 empresas, que 68% da riqueza gerada pelas corporações do setor elétrico é consumida com pagamento de tributos.

Seria hora de parar e tentar rever toda a atual abordagem do governo para o setor elétrico. A tributação excessiva e a complexa estrutura de impostos não só na energia, mas também nos insumos e nos bens de capital, fazem explodir o custo de produção, evidenciando a desvantagem competitiva do Brasil. Para que o país possa ser mais competitivo é necessário e urgente desonerar e simplificar o Brasil produtivo. Sem uma política consistente de desoneração será impossível ao Brasil se impor como um player importante na economia global.

Ed.368

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…