Varejo à deriva

Por Yan Cattani

Após apresentar três quedas consecutivas, o varejo voltou a mostrar variação positiva na margem em fevereiro. Ainda assim, os resultados estão longe de serem animadores. De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo Restrito (desconsidera os setores de construção civil e venda de veículos) subiu 1,2% no mês, na análise mensal dos dados dessazonalizados, sendo a maior alta desde julho de 2013.

A elevação foi puxada por metade dos setores: Artigos farmacêuticos (0,3%), Móveis e Eletrodomésticos (5,0%), Combustíveis e lubrificantes (0,6%), Hipermercados e supermercados (0,8%). Para os outros setores, a configuração foi a seguinte: Tecidos, vestuário e calçados apresentou -2,8%, Materiais para escritório, informática e comunicação, -1,3%, Livros, jornais revistas e papelaria, -2,4% e Outros artigos de uso pessoal e doméstico, -0,1%.

No entanto, nos dados sem ajuste por sazonalidade, em termos interanuais (comparação de fevereiro de 2016 contra o mesmo mês do ano anterior) a queda foi generalizada. Ainda assim, ressalta-se que no ano passado as variações ocorreram de forma mais amena do que a observada nos últimos meses: todos os setores tiveram desaceleração dos resultados negativos – e os produtos farmacêuticos tiveram oscilação positiva, inclusive.

Ainda é cedo para afirmar que o varejo está invertendo sua tendência de queda, mas este é um indício de que uma piora dos resultados também é pouco provável. A estagnação da queda dos indicadores de confiança na economia é fato observável há pelo menos 2 meses. Mas o fundamento principal permanece o mesmo: enquanto não houver melhoria nítida nos determinantes do consumo das famílias, os resultados varejistas seguirão em campo negativo. Paramos de remar no sentido contrário, mas ainda nos encontramos à deriva.

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…