Variação positiva na Indústria não indica recuperação

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A indústria brasileira registrou em janeiro crescimento de 2,9% frente ao dezembro anterior. Essa reação frente ao mês anterior ainda acumula, no entanto, variação em doze meses de apenas 0,5%. A leitura do comportamento da indústria neste janeiro fica mais fraca se comparada com janeiro de 2013: uma queda de 2,4%. O dado mais confiável do ritmo da indústria costuma ser a média móvel do trimestre encerrado no último mês de observação, no caso janeiro. Este indicador médio, em relação a dezembro, caiu 0,5%, apontando uma fraqueza persistente dos principais ramos e segmentos: em bens intermediários, a queda foi de 0,5%; em bens de consumo não duráveis, o índice recuou 0,4% frente a dezembro e, nos duráveis, recuou 0,2%. Compensou esta queda o segmento de bens de capitais, empurrado pela retomada propiciada pelo ajuste cambial.

As estimativas inicialmente conservadoras sobre a indústria ao longo deste ano ganharam mais força após os dados apresentados em janeiro. Já podemos apontar que a indústria brasileira, se repetir o desempenho modesto de 2013, “vai sair no lucro” este ano. Há fatores diversos conspirando contra a repetição até mesmo do desempenho do ano passado. O principal é o choque de custos, sobretudo salarial, que ainda pesa contra o patamar competitivo da maioria dos segmentos industriais brasileiros. O fator adjacente vem dos reajustes de preços nos segmentos de base. Em terceiro lugar, mas não menos importante, é o choque de custos da energia no mercado à vista, criando incertezas até quanto à regularidade do suprimento nos próximos meses. O racionamento é uma clara possibilidade em 2014. Por último, é bom ponderar que, pela primeira vez em muitos anos, a renda disponível do consumidor não crescerá substancialmente, deixando a indústria na expectativa de buscar clientes no exterior, outro desafio difícil, já que as desvalorizações do real são compensadas pelas de outros emergentes.

Ed.378

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…

Recuperação de crédito cai 1,7% no acumulado 12 meses

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,7% na variação acumulada em 12 meses (agosto de 2016 até julho de 2017). A variação mensal com dados dessazonalizados apresentou queda de 6,4% contra o mês…