Vendas varejistas e propensão ao consumo

A fraca atividade do comércio é reflexo direto do mau momento econômico. Dentre diversas variáveis que colaboram para este desempenho ruim, a inflação tem sido um dos fenômenos mais determinantes para degradação da confiança na economia. Isso ocorre porque a elevação de preços prejudica de forma considerável o poder de compra dos consumidores, que cada vez menos se dispõem a consumir.

A queda de atividade do setor já era esperada pelo mercado desde fins de 2014, quando ficou nítida a desaceleração do setor. Contudo, a diminuição das vendas reais no comércio tem sido bastante drástica e surpreendido os agentes econômicos, gerando uma onda de revisões negativas nas projeções para resultado consolidado de 2015. De fato, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada hoje pelo IBGE, o volume de vendas no varejo restrito caiu 0,5% em setembro, na análise mensal dos dados dessazonalizados, sendo a 8ª queda mensal consecutiva do indicador. Para o acumulado de 2015 a retração é de 3,3%, contra o mesmo período do ano passado, enquanto no conceito ampliado a queda já atinge 7,4%. Ou seja, não haverá nenhuma novidade caso observemos neste ano resultados de retração de 3,5% e 8% – no conceito restrito e ampliado respectivamente.

Sem dúvida, o pior resultado histórico já registrado pela PMC está bastante ligado não somente aos aspectos macroeconômicos já citados, mas também aos de ordem microeconômica. Um dos fatores condicionantes recai sobre uma análise do perfil do consumidor, que cada vez mais tem diminuído assiduidade nas compras e reduzido também o valor médio de seu consumo.

Conforme mostrado em um recente estudo elaborado pela Boa Vista SCPC, a disposição a consumir reduziu-se de forma significativa no último ano. O Indicador de Propensão ao Consumo desde setembro de 2014 mostrava-nos uma queda contínua dessa intenção de compras do consumidor, que caiu de um valor 99,1 pontos para atuais 93,2 pontos (setembro de 2015). A expressiva redução do indicador, que tem como intuito mostrar o lado da demanda do comércio, evidencia um comportamento bastante aderente ao fluxo de vendas reais do varejo do indicador oficial do IBGE. É uma nova variável a ser observada com atenção.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…