Dívida com cartão de crédito e boleto levam paulistano a mutirão de renegociação de dívidas

A maioria (60%) dos consumidores que compareceu ao mutirão “Acertando suas Contas”, da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), na cidade de São Paulo, com a intenção de negociar suas dúvidas, buscou a renegociação do débito causado pelo cartão de crédito.

A constatação é de levantamento realizado no próprio local pela Boa Vista SCPC, que realiza o evento no centro de São Paulo de 25 de novembro a 3 de dezembro, ao qual compareceram, nos seis primeiros dias, 14 mil pessoas que puderam renegociar suas dívidas, obter o guia para economizar em tempos de crise e ainda participar de palestras de educação financeira.

O fluxo de consumidores pode ser atribuído, entre outros fatores, à inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo. A Boa Vista SCPC informou nesta quinta-feira (1º. de dezembro) que esse indicador cresceu 1,8% no acumulado do ano (de janeiro a outubro).

De acordo com o levantamento, 23% dos que compareceram ao mutirão nos primeiros dias ficaram inadimplentes por problemas no pagamento de boleto e carnê. Entre que se endividaram por não pagamento de boleto, 60% deixaram de saldar seus compromissos referentes a telefone, TV por assinatura e serviços de internet, enquanto 16% não pagaram mensalidades escolares; 13% não saldaram conta de celular e 8% de telefone fixo. Já os 35% que ficaram inadimplentes por causa do carnê não conseguiram pagar compras de móveis e eletrodomésticos.

A maior fatia (82%) dos consumidores foi ao mutirão para negociar valor ou juros da dívida e 8% compareceram para tentar conseguir maior prazo para pagamento. Além disso, 48% disseram que a restrição ao nome aconteceu em consequência do desemprego, enquanto 30% atribuíram a inadimplência ao descontrole financeiro e 7% emprestaram o nome a terceiros. E 55% tinham apenas uma dívida a renegociar.

Perfil do consumidor

O levantamento da Boa Vista SCPC revela que a maioria dos consumidores que foi ao mutirão é da classe DE (67%), tem carteira de trabalho assinada (56%), com idade entre 25 e 34 anos (34%).  Entre eles, 31% se deslocaram da Zona Sul para o Centro de São Paulo, local onde acontece o mutirão, enquanto 20% são das Zonas Norte e Leste. Houve equilíbrio entre os gêneros (55% de homens e 45% de mulheres), e entre consumidores casados (42%) e solteiros (41%).

Termos Relacionados:

  • Dívidas Cartão de Crédito
  • Quitar Dívidas do Cartão
  • Endividamento
  • Nome Sujo
  • Inadimplência
  • Educação Financeira
  • Controle de Gastos
  • Como Economizar
  • Economia
  • Quitar Dívidas
  • Negociar Dívidas
  • Limpar Nome
  • Cliente Inadimplente
  • Pagar Contas

 

Mais informações

Equipe de Relações com a Imprensa

Telefone: (11) 3031-2388

Liliana Liberato – ramal 236 | (11) 9 7514-0811 | liliana@tamer.com.br

Theo Carnier –  ramal 224 | (11) 99940-0117 | theo@tamer.com.br

Boa Vista SCPC (Comunicação)

(11) 4734-3570

Leandro Jordão | imprensa@boavistascpc.com.br

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…