Dívida com cartão de crédito e boleto levam paulistano a mutirão de renegociação de dívidas

A maioria (60%) dos consumidores que compareceu ao mutirão “Acertando suas Contas”, da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), na cidade de São Paulo, com a intenção de negociar suas dúvidas, buscou a renegociação do débito causado pelo cartão de crédito.

A constatação é de levantamento realizado no próprio local pela Boa Vista SCPC, que realiza o evento no centro de São Paulo de 25 de novembro a 3 de dezembro, ao qual compareceram, nos seis primeiros dias, 14 mil pessoas que puderam renegociar suas dívidas, obter o guia para economizar em tempos de crise e ainda participar de palestras de educação financeira.

O fluxo de consumidores pode ser atribuído, entre outros fatores, à inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo. A Boa Vista SCPC informou nesta quinta-feira (1º. de dezembro) que esse indicador cresceu 1,8% no acumulado do ano (de janeiro a outubro).

De acordo com o levantamento, 23% dos que compareceram ao mutirão nos primeiros dias ficaram inadimplentes por problemas no pagamento de boleto e carnê. Entre que se endividaram por não pagamento de boleto, 60% deixaram de saldar seus compromissos referentes a telefone, TV por assinatura e serviços de internet, enquanto 16% não pagaram mensalidades escolares; 13% não saldaram conta de celular e 8% de telefone fixo. Já os 35% que ficaram inadimplentes por causa do carnê não conseguiram pagar compras de móveis e eletrodomésticos.

A maior fatia (82%) dos consumidores foi ao mutirão para negociar valor ou juros da dívida e 8% compareceram para tentar conseguir maior prazo para pagamento. Além disso, 48% disseram que a restrição ao nome aconteceu em consequência do desemprego, enquanto 30% atribuíram a inadimplência ao descontrole financeiro e 7% emprestaram o nome a terceiros. E 55% tinham apenas uma dívida a renegociar.

Perfil do consumidor

O levantamento da Boa Vista SCPC revela que a maioria dos consumidores que foi ao mutirão é da classe DE (67%), tem carteira de trabalho assinada (56%), com idade entre 25 e 34 anos (34%).  Entre eles, 31% se deslocaram da Zona Sul para o Centro de São Paulo, local onde acontece o mutirão, enquanto 20% são das Zonas Norte e Leste. Houve equilíbrio entre os gêneros (55% de homens e 45% de mulheres), e entre consumidores casados (42%) e solteiros (41%).

Termos Relacionados:

  • Dívidas Cartão de Crédito
  • Quitar Dívidas do Cartão
  • Endividamento
  • Nome Sujo
  • Inadimplência
  • Educação Financeira
  • Controle de Gastos
  • Como Economizar
  • Economia
  • Quitar Dívidas
  • Negociar Dívidas
  • Limpar Nome
  • Cliente Inadimplente
  • Pagar Contas

 

Mais informações

Equipe de Relações com a Imprensa

Telefone: (11) 3031-2388

Liliana Liberato – ramal 236 | (11) 9 7514-0811 | liliana@tamer.com.br

Theo Carnier –  ramal 224 | (11) 99940-0117 | theo@tamer.com.br

Boa Vista SCPC (Comunicação)

(11) 4734-3570

Leandro Jordão | imprensa@boavistascpc.com.br

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…