Boa Vista: Pedidos de falência sobem em julho e acumulam 17% de crescimento em 2012

O número de falências decretadas acumula crescimento de 0,8% no ano.

Dados da Boa Vista, com abrangência nacional, mostram que o número de pedidos de falência subiu 29,4% em julho na comparação com junho de 2012. No acumulado do ano o número de pedidos de falência apresentou crescimento de 17,4% contra o mesmo período de 2011. Em relação ao mesmo mês de 2011, os pedidos de falência cresceram 22,2%.

Falências Decretadas

As falências decretadas, por sua vez, recuaram 10,2% em julho e acumulam crescimento de 0,8% no ano ante o mesmo período de 2011. Sobre julho de 2011 o número de falências decretadas caiu 25,4%.

Recuperação Judicial

Os pedidos de recuperação judicial e o deferimento dos pedidos de recuperação também cresceram em julho e continuam com forte tendência de alta no acumulado do ano, na comparação com o mesmo período de 2011.

O aumento da inadimplência de consumidores e empresas ao longo de 2011 e 2012 e o recuo da atividade econômica nos últimos meses vêm prejudicando o desempenho financeiro das empresas e diminuindo a capacidade de pagamento, resultando na maior insolvência das empresas, refletida nos pedidos de falência e de recuperação judicial. Ainda espera-se que o cenário favorável do mercado de trabalho mantenha a demanda interna aquecida e o consumo em alta em 2012, reduzindo o impacto sobre as empresa. A ampliação de medidas de apoio à indústria e a redução nas taxas de juros podem ajudar a aliviar essa pressão.

Falências e recuperações judiciais por porte das empresas

As micro e pequenas empresas, representam cerca de 77% dos pedidos de falências no acumulado do ano e 95% das falências decretadas.

Utilizamos para a classificação de porte de empresa aquela adotada pelo BNDES e aplicável a todos os setores da economia*.

Falências e recuperações judiciais por Setor

Na divisão por setor da economia, a indústria contribuiu para o maior número nos pedidos de falência no acumulado do ano, com 39% dos casos, seguida dos serviços (31%) e do comércio (30%).

Quando observamos separadamente os setores por porte das empresas, percebemos que os pedidos de falências entre as micro e pequenas empresas foram liderados pelo comércio com 33%, enquanto que para as médias e grandes empresas prevaleceram os pedidos de falência na indústria (57%).

*A CIRCULAR Nº 11/2010 do BNDES de 05 de março de 2010 classifica as categorias de porte das empresas de acordo com a receita operacional bruta anualizada. Microempresa – menor ou igual a R$ 2,4 milhões; Pequena empresa – maior que R$ 2,4 milhões e menor ou igual a R$ 16 milhões; Média empresa – maior que R$ 16 milhões e menor ou igual a R$ 90 milhões; Média-grande empresa – maior que R$ 90 milhões e menor ou igual a R$ 300 milhões; Grande empresa – maior que R$ 300 milhões.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…