Pedidos de falência recuam 6,0% no 1º semestre de 2014, diz Boa Vista SCPC

Os pedidos de falência recuaram 6,0% no 1º semestre de 2014, em comparação ao mesmo período de 2013, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na comparação mensal, a quantidade de pedidos recuou 29,3% e foi 14,8% menor em relação ao mesmo mês do ano anterior.

As falências decretadas aumentaram 5,9% no acumulado de 2014, em comparação com o mesmo período de 2013, apresentando uma desaceleração no crescimento, quando comparadas aos números acumulados em maio.  Na comparação interanual (junho deste ano contra junho de 2013), houve queda de 18,3%, enquanto que em relação ao mês anterior caíram 41,4%.

No acumulado no 1º semestre desse ano em relação ao período equivalente de 2013, os pedidos de recuperação judicial cresceram 6,2% e as recuperações judiciais deferidas diminuíram 9,6%. A tabela 1 resume os dados.

tab1

Mesmo com o cenário econômico sem sinais de recuperação em 2014, os pedidos de falência continuam apresentando números menores quando comparados ao mesmo período do ano anterior. Com isso, é possível que essa melhora na solvência das empresas ainda seja reflexo das taxas de inadimplência menores, registradas em períodos anteriores. Mas o ano deve se encerrar com números próximos aos de 2013.

Distribuição das falências e recuperações judiciais por setor

Avaliando a distribuição dos dados por setor da economia, o setor de serviços foi o que representou mais casos nos pedidos de falência (40%), seguido do setor industrial (37%) e do comércio (24%). Já para as falências decretadas, o setor de serviços também lidera, com 38% do total intersetorial. Em relação à recuperação judicial, o setor de serviços também concentra a maioria dos pedidos e deferimentos, com 37% e 44%, respectivamente. A tabela 2 resume os dados.

tab2

Distribuição das falências e recuperações judiciais por porte

Na análise agregada por porte[1], os dados se mantiveram muito concentrados em torno das pequenas empresas. 92% das falências decretadas no primeiro semestre do ano são de empresas pequenas. Em relação aos pedidos de falência, as pequenas empresas representam 82% dos casos, 15% são referentes às médias e somente 3% estão associados às grandes empresas. A tabela 3 resume os dados.

tab3
Metodologia

O indicador de falências e recuperações judiciais é construído com base na apuração de dados mensais de ocorrências (requerimentos e decretações) registrados na base de dados da Boa Vista SCPC, oriundas dos fóruns, varas de falências e dos Diários Oficiais e de Justiça dos estados.

A série histórica deste indicador encontra-se no site em:
http://www.boavistaservicos.com.br/economia/falencias-e-recuperacoes-judiciais/


[1] A CIRCULAR Nº 11/2010 do BNDES de 05 de março de 2010 classifica as categorias de porte das empresas de acordo com a receita operacional bruta anualizada. Microempresa – menor ou igual a R$ 2,4 milhões; Pequena empresa – maior que R$ 2,4 milhões e menor ou igual a R$ 16 milhões; Média empresa – maior que R$ 16 milhões e menor ou igual a R$ 90 milhões; Média-grande empresa – maior que R$ 90 milhões e menor ou igual a R$ 300 milhões; Grande empresa – maior que R$ 300 milhões.

Comentários

comentários