Nosso papel no Cadastro Positivo

Pouco mais de um ano após a aprovação da lei da sua criação, o Cadastro Positivo foi regulamentado por decreto federal que define as condições para funcionamento dos bancos de dados, dos dados a serem observados no histórico de crédito do consumidor, dos critérios para consulta ao banco de dados e para a autorização da abertura do cadastro pelo cliente, e também o posterior compartilhamento dessas informações.

Para a Boa Vista Serviços, que desde o primeiro momento apoiou a implantação do Cadastro Positivo, o decreto assinado na semana passada representa mais um passo importante na construção de um novo modelo de relacionamento entre consumidores ou pessoas jurídicas e as instituições que concedem crédito. Diferente do tradicional sistema, no qual o foco é apontar a inadimplência para inclusão ou exclusão numa lista de devedores com “nome sujo”, o Cadastro Positivo é um banco de dados em que são registrados os compromissos financeiros e de pagamentos relativos às operações de crédito e obrigações de pagamento liquidadas ou em andamento por pessoa física ou jurídica. Ao contrário do modelo atual, que apenas penaliza a inadimplência, o novo sistema cria vantagens para quem paga suas contas em dia. Quem se cadastra, seja consumidor ou empresa, pode ser acompanhado também pelo histórico de pagamentos que faz, tornando o processo de concessão de crédito mais completo e eficaz.

O Cadastro Positivo é um mecanismo transparente, que cria um novo paradigma no setor porque quem busca crédito também se torna um protagonista do sistema. Pela legislação aprovada a própria pessoa física ou jurídica, é quem decide e autoriza a adesão ao banco de dados do Cadastro Positivo. Ao aderir, além do direito de ter acesso a seus dados,  pode saber também a finalidade do uso das suas informações, de modo que as pessoas (físicas ou jurídicas) serão tratadas de maneira mais justa e equilibrada. Com o Cadastro Positivo o consumidor – sobretudo o de menor renda que não tem acesso ao crédito – ganha condições de ingressar nesse mercado e como condutor de seu histórico, já que poderá acompanhar quem está utilizando suas informações (que podem ser por ele excluídas ou incluídas). Para as médias ou pequenas empresas e os empreendedores em geral, de acordo com avaliação do Sebrae, a participação neste banco de informações também deverá ampliar as possibilidades de acesso ao crédito em condições mais vantajosas que as atuais. Completando o ciclo de benefícios, as empresas que concedem crédito passam a ter mais ferramentas para medir o risco das operações de maneira segura, e a dispor de mais informações para formular suas estratégias de negócios.

Trata-se de uma evolução que traz grandes benefícios à sociedade brasileira que, por sinal, nos coloca, finalmente, no mesmo patamar de outras nações desenvolvidas. O Brasil era o único país do G20, grupo que reúne as maiores economias do mundo,  sem um Cadastro Positivo. Em todos os outros países onde já existe, esse mecanismo aumentou de forma significativa a segurança no crédito,  reduziu a inadimplência entre 20% e 30% e contribuiu para o incremento do mercado.

Mas o Cadastro Positivo chega num momento muito adequado, quando o setor de crédito vive um quadro de mudanças, com o ingresso de milhões de novos consumidores nos últimos anos. Essa situação exige ferramentas apropriadas para todos os participantes do mercado e o Cadastro Positivo encaixa-se nessa necessidade, como ficou comprovado nos outros países em que foi adotado.

Daqui até o inicio efetivo do seu funcionamento, a partir de 2013, ainda restam etapas a serem cumpridas, como a publicação de uma normatização do Conselho Monetário Nacional para estabelecer como será feita a troca de informações entre o segmento financeiro e o banco de dados.  Outra etapa importante diz respeito a definições quanto a credibilidade de quem serão os responsáveis pela gestão do Cadastro Positivo. É  indispensável que essas empresas sejam comprovadamente idôneas e também que haja um monitoramento quanto ao cumprimento da exigência de capital exigido para as companhias que trabalharão com o Cadastro Positivo – que o decreto estabelece um mínimo de R$20 milhões.

O Cadastro Positivo é uma ferramenta importante demais para o mercado de crédito e não se pode permitir que seja desvirtuado em momento algum. A fiscalização será fundamental  para garantir que somente empresas de reconhecida credibilidade e que atendam plenamente os requisitos de privacidade e segurança possam assumir a responsabilidade pela gestão destes bancos de dados. Neste sentido entendo que, mais uma vez, a atuação da Boa Vista em parceria com as entidades representativas do movimento associativista terão um papel vital para o sucesso do Cadastro Positivo.

 

*Dorival Dourado é Presidente e CEO da Boa Vista Serviços

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…