Cartão de débito é a forma de pagamento preferida da classe C

A maioria dos consumidores da classe C utiliza o cartão de débito como principal meio de pagamento das contas do dia a dia, usa o cartão de crédito como ferramenta para planejar pagamentos e paga financiamento da compra de carro. Essas revelações são de pesquisa nacional realizada pela Boa Vista SCPC em parceria com o programa Finanças Práticas, da Visa do Brasil. O levantamento foi realizado com mil consumidores da classe C em todo o Brasil para mapear os hábitos de consumo e o controle das finanças dessa faixa de consumidores.

Segundo a pesquisa, o cartão de débito é o meio de pagamento preferido para pagamento das contas para 42% dos entrevistados, seguido pelo dinheiro (29%), cartão de crédito (28%) e cheque (1%). A preferência pelo cartão de débito é maior nas regiões Sudeste, com fatia de 46% e Centro-Oeste, com 45%. No Norte, 51% da classe C utilizam mais o dinheiro para pagar as contas e no Nordeste prevalece o cartão de crédito, com 39%. No Sul, a preferência por meios de pagamento estão dividida: 34% usam dinheiro, 33% cartão de débito e 31% cartão de crédito.

A maior utilização dos cartões reflete o nível de bancarização da classe C. De acordo com o levantamento, 96% dos entrevistados são bancarizados.

Em relação às modalidades de financiamento, 33% declararam que pagam parcelas pela aquisição de autos, 30% por empréstimo pessoal, 27% por empréstimo consignado com desconto em folha, 15% por empréstimo para compra de imóvel e 12% por outros tipos. O comprometimento maior com pagamento de financiamento de carro é nas regiões Norte e Centro-Oeste, ambas com 38%, e no Sudeste (33%).

Cartões

Outra constatação da pesquisa foi que o cartão de crédito tem sido utilizado para o planejamento financeiro dessas famílias. O levantamento mostrou que 59% dos entrevistados dessa classe de renda usam o cartão de crédito para centralizar as despesas pessoais e que 83% têm o hábito de conferir a fatura antes de fazer o pagamento. Além disso, 32% têm apenas um cartão, mas 25% possuem dois, 10% têm três e 9% possuem quatro ou mais.

De acordo com o levantamento, 32% dos consumidores usam o cartão como ferramenta de controle de gastos e 21% usam o “plástico” apenas em situações de emergência. O consumidor da classe C prefere utilizar seu próprio cartão: 77% dos consumidores evitam pagar o valor mínimo do cartão de crédito e 76% não utilizam cartões de amigos ou parentes.

Nota metodológica

Os dados da pesquisa “Hábitos do Consumidor da Classe C” foram obtidos por meio de um levantamento eletrônico realizado pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), em parceria com o programa Finanças Práticas, de 1º a 27 de outubro de 2014, com 1.000 consumidores da classe C, usuários do site Consumidor Positivo www.consumidorpositivo.com.br. Para leitura geral dos resultados, deve-se considerar 95% de grau de confiança e margem de erro de 3%, para mais ou para menos.

 

Para determinação da classe social, foi utilizado o Critério FGV 2012, que considera consumidores com rendimento familiar mensal entre R$ 2.030,00 a R$ 8.700,00 como pertencentes à Classe Média ou Classe C.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…