A análise de riscos da clientela começa na abordagem

A análise de riscos da clientela começa na abordagem

Roseli Garcia é diretora de Rede da Boa Vista SCPC

O risco de golpes e fraudes é uma constante em nosso dia a dia. Isso é fato consumado e incontestável, pois sabemos que não há como zerá-lo, quando no máximo, reduzi-lo já é um grande desafio. Entretanto, o que tenho observado em muitos empresários é, no afã de obter soluções tecnológicas de ponta para prevenir golpes e fraudes, eles acabam baixando a guarda em um aspecto extremamente importante: abordagem.

É evidente que os sistemas de prevenção a golpes e fraudes são altamente assertivos e eficazes, principalmente quando mais tecnologias são agregadas. Contudo, em momento algum isso significa que o empreendedor deva confiar tão e somente neles, deixando de lado as percepções na conduta com o cliente. Especialistas vêm alertando, cada vez mais, sobre a necessidade do próprio lojista – com base em sua experiência com a clientela – estabelecer critérios de triagem para detecção de golpes e fraudes, e é justamente esse o ponto de reflexão.

Em primeiro lugar, ressalto mais uma vez que não existe uma receita pronta e fechada para que qualquer negócio fique 100% seguro. O empreendedor, baseado no perfil de seus clientes, pode e deve estabelecer políticas de segurança, além de definir as “áreas cinzas” do negócio – ou seja, aquelas que requerem atenção redobrada. Em outras palavras: o empresário tem sim o poder de delinear diretrizes para seu negócio a fim de detectar um comportamento suspeito. E, inclusive, isso é importantíssimo que seja alinhado com o banco de dados de crédito utilizado por ele para que a detecção de condutas suspeitas seja ainda mais apurada.

No aspecto comportamental, há itens valiosos que o lojista deve atentar-se e treinar toda a sua equipe para que fique alerta a eles: quando há uma suspeita de fraude e o portador do documento demonstrar irritação, constrangimento ou chateação por apresenta-lo, isso pode contar diversos pontos contra ele. Outra dica comportamental que requer atenção máxima é quando o suposto contraventor afirma estar atuando da parte de um terceiro: mediante essas situações, faz-se obrigatória a consulta do documento.

Outro aspecto que deve ser acompanhado estritamente de perto é a sequência contínua e em prazos regulares de compras ou movimentações em valores pequenos, quase sempre semelhantes. Diversos contraventores utilizam-se desse recurso para dissimular uma grande movimentação. Com isso, a recomendação é clara: observando operações recorrentes do mesmo cliente e, quase sempre no mesmo valor, sinal de alerta.

Há também outro procedimento extremamente óbvio e que, de tão óbvio, acaba sendo ignorado: comparar a foto do documento com a do portador, bem como a coerência da data de nascimento. Muitos criminosos que utilizam documentos furtados acabam consolidando grandes operações baseadas simplesmente na distração das pessoas que os atendem. Confie na tecnologia, mas não deixe seus instintos de lado: ambos andam em sincronia, ou seja, de mãos dadas. É importante que você zele pela saúde de seu negócio sempre!

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor sobe 4,6% em maio

A demanda por crédito do consumidor subiu 4,6% em maio frente a abril, com o ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve desaceleração da…

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…