OGX: começa a via crucis dos credores

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A morte longamente anunciada ocorreu ontem: a OGX entrou com pedido de recuperação judicial na Justiça do Rio de Janeiro. Sérgio Bermudes, experiente concursista, será o advogado da empresa postulante. O procedimento se inicia com o levantamento da dívida integral, algo que ainda se desconhece no detalhe, embora tenha sido publicado o valor de R$ 11,2 bilhões, dos quais aproximadamente 60% seriam devidos aos credores no exterior, o que complica o andamento do processo. Uma vez apresentada a proposta de renegociação, esta deverá ser submetida a um comitê de credores. O juiz também deverá decidir se a empresa continuará a ser administrada pelos atuais controladores. Nesse meio tempo, pode se imaginar o grau de deterioração operacional a ser incorrido pela postulante à recuperação. A cada dia que passa, as chances de reposição dos valores diminuem.

Há complicações nesta recuperação que poderão conduzir a impasses sufocantes. Um deles é a possibilidade de perda das concessões ainda detidas pela petroleira. Em caso de decretação de falência, as concessões serão perdidas. A OGX busca compelir a Petronas, petroleira malaia, que chegou a se aproximar do grupo com vistas a desenvolver a produção do campo de Tubarão Martelo, com o objetivo de fazer esta última desembolsar recursos supostamente prometidos para tal exploração. Óbvio que este caminho se afigura o pior possível. A Petronas se defenderá e, quanto mais compelida, mais se afastará do imbróglio. No cenário mais provável, os minoritários perderão maciçamente, ainda que lutando por direitos, tanto na Justiça como perante a CVM. Os credores, para recuperar alguma coisa, dependem da continuidade do negócio, cuja evolução dependeria de um novo administrador prontamente nomeado, o que não deve acontecer. A imagem empresarial e institucional do Brasil sai mais do que arranhada. O País permitiu que o governo “elegesse” Eike como seu totem empresarial e, agora, temos um ídolo caído. Por meio da contribuição das empresas X, o Brasil finalmente entrou na crise de 2008. Este episódio será lembrado como nosso Lehman Brothers.

Ed.304

Comentários

comentários

Posts relacionados

Para 46% dos consumidores, o Cadastro Positivo tem como principal benefício auxiliar na obtenção de crédito e contratação de financiamentos

Em pesquisa inédita com consumidores de todo o Brasil, a Boa Vista SCPC identificou que para 46% dos entrevistados, o Cadastro Positivo tem como principal objetivo auxiliar na obtenção de crédito e na contratação de financiamentos. Outros 26% acreditam que o banco de dados com informações positivas sobre consumidores classifica de forma mais assertiva e…

Movimento do Comércio sobe 2,2% em agosto

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 2,2% em agosto quando comparado a julho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (setembro de 2016…

Boa Vista SCPC reúne especialistas para debater avanços e benefícios econômicos do Cadastro Positivo

A Boa Vista SCPC recebeu autoridades como Oscar Madeddu, do Banco Mundial, João André Pereira, do Banco Central do Brasil e César Calomino, da Equifax do Uruguai, para falar sobre o Cadastro Positivo e os seus impactos econômicos e sociais, inclusive em países em desenvolvimento onde já é uma realidade. Estes convidados também salientaram a…