Produção Industrial sem fôlego

Bruna Martins/Yan Cattani

Os dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostraram que a Produção Industrial registrou queda de 8,1% no acumulado de janeiro a novembro de 2015 em relação ao ano anterior. Em 12 meses a retração foi de 7,7%.

Um dos destaques – negativos – foi a categoria de “Indústrias de Transformação”, que recuou 9,3%.  As “Indústrias Extrativas”, por sua vez, aumentaram apenas 5,2%, após 5 meses consecutivos em desaceleração. Considerando a análise por Categoria de Uso, na mesma base de comparação, os “Bens de Capital” recuaram 24,1%, depois de 16 meses em queda, e a situação dos “Bens de Consumo” não é diferente, 18 meses com variações negativas para atingir variação de -17,6%.

Os números da Produção Industrial foram ruins ao longo de todo ano e já eram esperados pelo mercado. Todavia, os resultados do mês surpreenderam negativamente até mesmo as projeções dos analistas mais pessimistas, que observaram um recuo de 2,4% na variação mensal, sendo que as projeções aguardadas eram de apenas -1,8%.

A indústria passa por um triplo ajuste. Em primeiro lugar, há a reestruturação do mercado de trabalho, com aumento do ritmo de demissões e seus consequentes custos das folhas de pagamento. Em segundo lugar, existe a desvalorização do real, que de um lado encarece as importações de bens de capital e do outro ajuda na competitividade internacional. O último ajuste é do consumo das famílias, cuja tendência atual é negativa.

Enquanto estes ajustes não se consolidam, a indústria mantém-se distante de aumentar a produção. Diante de um cenário econômico tão incerto, os empresários deverão manter sua confiança baixa e sem incentivos para investir. A indústria até o momento encontra-se à espera de fôlego para movimentar suas engrenagens.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Para 46% dos consumidores, o Cadastro Positivo tem como principal benefício auxiliar na obtenção de crédito e contratação de financiamentos

Em pesquisa inédita com consumidores de todo o Brasil, a Boa Vista SCPC identificou que para 46% dos entrevistados, o Cadastro Positivo tem como principal objetivo auxiliar na obtenção de crédito e na contratação de financiamentos. Outros 26% acreditam que o banco de dados com informações positivas sobre consumidores classifica de forma mais assertiva e…

Movimento do Comércio sobe 2,2% em agosto

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 2,2% em agosto quando comparado a julho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (setembro de 2016…

Boa Vista SCPC reúne especialistas para debater avanços e benefícios econômicos do Cadastro Positivo

A Boa Vista SCPC recebeu autoridades como Oscar Madeddu, do Banco Mundial, João André Pereira, do Banco Central do Brasil e César Calomino, da Equifax do Uruguai, para falar sobre o Cadastro Positivo e os seus impactos econômicos e sociais, inclusive em países em desenvolvimento onde já é uma realidade. Estes convidados também salientaram a…