CAGED: Saldo do emprego aponta criação de 529,6 mil vagas formais em 2018

Foram divulgados hoje os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), publicado pelo Ministério do Trabalho.

Em dezembro, o saldo de vagas no mercado de trabalho (resultado da diferença entre novas contratações e demissões) foi negativo em 334,5 mil postos formais, encerrando o ano de 2018 com a criação de 529,6 mil novas vagas.

Os dados do CAGED de 2018 apontam o primeiro crescimento líquido dos postos de trabalho após três anos de fechamento de vagas. Destacaram-se no período os avanços nos setores de Serviços (398,6 mil), Comércio (102 mil) e Construção Civil (18 mil).

Avaliando os dados setoriais, houve queda do emprego em sete dos oito setores econômicos, o principal destaque foi o setor industrial, que eliminou cerca de 118 mil postos de trabalho no mês. Também houve redução das vagas nos setores de serviços (-117,4 mil), construção civil (-51,6 mil), agropecuária (-47,6 mil), administração pública (-17 mil), serviços industriais de utilidade pública (-1,4 mil) e extrativa mineral (-1 mil). No sentido contrário, comércio foi o único setor que registrou aumento no emprego (19,6 mil).

Em relação aos salários, em dezembro, a média real de admissão ficou praticamente estável com variação de apenas 0,1% (YoY). Enquanto a média real de demissão apresentou queda de 1,8% mantida a base de comparação.

A tímida recuperação da atividade econômica em 2018 afetou diretamente o ritmo de melhora no mercado de trabalho. Dado que as expectativas para o desempenho da economia continuam pouco otimistas, a tendência é de que o emprego siga sua recuperação de forma gradual em 2019.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…