Confiança do Comércio e do Consumidor apresentam o maior recuo mensal desde o início da série histórica

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou hoje as Sondagens do Comércio e do Consumidor relativos ao mês de abril, já influenciados pelas medidas restritivas e de isolamento social da Covid-19.

Os indicadores apresentam o maior recuo mensal desde o início da série histórica. O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) foi influenciado pela situação atual, enquanto o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) recuou principalmente por conta das expectativas futuras.

O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) recuou 30,5% em relação a março, para 61,2 pontos, sendo o maior recuo desde o início da série histórica na série livre de influências sazonais. O Índice de Situação Atual (ISA) caiu 35,1% no mês, enquanto o Índice de Expectativas (IE) recuou 23,6% na mesma base de comparação. Em relação a abril do ano passado, o ICOM, o ISA e o IE registraram recuos de 33,6%, 26,2% e 33%, respectivamente.

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) atingiu 58,2 pontos em abril, alcançando o menor nível desde o início da série histórica e recuando 27,4% contra março, na série livre de influências sazonais. O Índice de Situação Atual (ISA) recuou 13,8%, enquanto o de Expectativas (IE) contraiu 34,4% nesta base de comparação. Em relação ao mesmo período do ano passado (comparação interanual), o ICC, o ISA e o IE registraram recuos de 33,1%, 14,7% e 41,3%, respectivamente.

A confiança do consumidor engata o quarto mês de piora em 2020, bastante intensificada neste mês devido a atual pandemia do coronavírus e suas medidas restritivas de isolamento social. O cenário de incertezas sobre o futuro, as oscilações no mercado de petróleo, as variações na bolsa de valores, o avanço da Covid-19 e questões políticas são elementos fundamentais para o futuro da economia, os consumidores enxergam piores cenários impulsionados pelo aumento do desemprego, puxando a confiança para baixo principalmente devido as expectativas futuras.

Assim como a confiança do consumidor, a confiança do comércio registrou intenso recuo em abril, este foi puxado principalmente pela situação atual, indicando a queda acentuada das vendas neste mês, em março a queda da confiança ocorreu estritamente devido as expectativas futuras. A preocupação dos empresários para os próximos meses e a cautela por parte dos consumidores contribuem para um futuro cenário de recuperação ainda incerto, mesmo com o avanço do afrouxamento das medidas restritivas e de isolamento social.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Reabertura com crédito

A flexibilização do comércio em diferentes regiões do Brasil traz incertezas na decisão de concessão de crédito. Diante deste cenário, a Boa Vista identificou um movimento de aceleração da adoção ao Cadastro Positivo pelas pequenas, médias e grandes empresas. Desde o início da pandemia, já somam mais de um milhão de consultas às soluções da…

IPCA avança 0,36% em julho, sendo o maior resultado para um mês de julho desde 2016

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou 0,36% no mês de julho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,31%, 0,18 p.p. acima da variação observada em junho.  Com esse resultado, o indicador acumulou alta de 0,46% no ano. O grupo Transportes (0,78%) foi o que registrou maior impacto positivo sobre o…

Pedidos de falência recuam 12,6% em julho

Os pedidos de falência caíram 12,6% em julho, na comparação com junho, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Mantida a base de comparação, os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas diminuíram 37,6% e 37,9%, respectivamente. Por outro lado, as falências decretadas registraram alta de 16,8% na variação mensal. Na análise…