Indústria tem o pior julho em 6 anos

Segundo o IBGE, a produção industrial recuou 8,9% em julho, na comparação contra o mesmo mês do ano passado, sendo o pior resultado para o mês desde 2009 quando o índice registrou queda de 10,0%. Com este resultado, a retração acumulada é de 6,6% no ano. Já na análise da variação acumulada em 12 meses, o setor registrou recuo de 5,3%.

Mantida a base de comparação, entre as grandes categorias econômicas as Indústrias de Transformação apresentaram queda de 7,0%, enquanto as Indústrias extrativas obtiveram alta de 8,1%.

Na análise mensal com dados ajustados sazonalmente, a produção industrial variou -1,5%. Considerando a análise por Categorias de Uso, o setor de Bens de Consumo Duráveis foi o que obteve o melhor resultado, com alta de 9,6%, enquanto Bens de Consumo recuou 1,1%.

Na tendência de longo prazo, avaliada pelo acumulado em 12 meses na série sem ajuste sazonal, as perdas permaneceram bastante acentuadas: -16,8% para Bens de Capital, -12,1% para os de Bens de Consumo Duráveis e -6,2% para Bens de Consumo.

Enquanto os ajustes de mercado de trabalho (demissões neste caso dão fôlego aos custos industriais) e da desvalorização cambial (real fraco inibe a importação de produtos industrializados) não se consolidam, a indústria mantém-se ainda bastante longe de retomar aumentos na produção. Tendo em vista estas influências, esperamos que a indústria encerre 2015 em nível negativo, com provável queda de 5,5%.

pim

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…