Inflação acumulada em 12 meses atinge 8,84% em junho

De acordo com o IBGE, a apuração do resultado da inflação oficial (IPCA) de junho foi de 8,84% considerando os valores acumulados em 12 meses, desacelerando 0,48 p.p. com relação ao resultado de maio. Na variação mensal, houve elevação de 0,35%. O maior responsável pela elevação do índice foi o grupo de Alimentação e Bebidas, que passou de 0,78% em maio para atuais 0,71%. Especificamente, a alta registrada nos produtos “feijão-carioca” e no “leite longa vida”, foram os principais responsáveis pela elevação do grupo, com altas mensais de 41,78% e 10,16%, respectivamente. Para os demais grupos, ficou registrada a seguinte configuração: Transportes variou   -0,53% em junho; Saúde e Cuidados Pessoais passou de 1,62% para atuais 0,83%; Educação variou 0,11% nesta aferição; Comunicação passou de 0,01% para 0,04% no resultado deste mês; Habitação variou 0,63%; Artigos de Residência subiu 0,26%; Vestuário 0,32% e Despesas Pessoais variou +0,35%.

O resultado do mês começa a aproximar-se da proposta estabelecida pelas metas de inflação (permite até 6,5% de inflação no ano), confirmando gradativamente as expectativas de mercado medidas pelo relatório Focus do BC – divulgado no início da semana, o qual previra um IPCA de 7,27% para 2016.

Desta forma, pode-se dizer que a dinâmica da inflação inflexionou-se definitivamente, passando a ceder de forma consistente. Caso não ocorra nenhum grande impacto derivado de fatores exógenos da economia, como câmbio, exportações líquidas, entre outros, o resultado esperado pelo mercado até o término do ano deverá se consubstanciar. Levando em consideração o discurso hawkish do novo presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, mudanças de juros e inflação deverão ficar somente para 2017. A ver.

ipca jun16

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….