IPCA avança 0,86% em outubro, maior resultado para um mês de outubro desde 2002

Comentários:

 

• O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou 0,86% no mês de outubro. No acumulado em 12 meses houve evolução para 3,92%, 0,78 p.p. acima da variação observada em setembro. Com esse resultado, o indicador acumulou alta de 2,22% no ano.

• O grupo Alimentação e bebidas (1,93%) tem sido o principal catalizador da inflação. A variação do segmento impulsionou o nível de preço para cima em 0,40% no mês, 1,01% nos últimos 3 meses e 1,80% no ano. Resultado do aumento dos preços observado em alimentos para consumo no domicílio (2,57%), como o arroz (13,4%) e o óleo de soja (17,4%).

• Os grupos Transportes e Artigos de Residência também tiveram destaque, apresentando avanço de 1,2% e 1,5% no período, respectivamente.

• O aumento dos preços no grupo Transportes deveu-se, principalmente, a evolução de 39,8% nas passagens aéreas. Enquanto em Artigos de Residência foi influenciado pela alta de 2,4% em eletrodomésticos e equipamentos.

•  Por outro lado, o único grupo que apresentou queda no mês foi o de Educação, apresentando recuo de 0,04% em outubro.

•  Nas principais regiões metropolitanas, a maior alta no mês foi registrada em Belém (1,18%), seguida por Belo Horizonte (1,08%) e Curitiba (1,02%). Por outro lado, Salvador, Rio de Janeiro e Porto Alegre apontaram as menores elevações no mesmo período, de 0,45%, 0,59% e 0,63%, respectivamente.


Perspectivas:

• No mês de outubro, o indicador reforça pelo quinto mês consecutivo um resultado positivo da inflação, após em maio sofrer com a menor variação mensal para o IPCA desde agosto de 1998, contribuindo novamente para acelerar a inflação na análise em 12 meses. Segundo o relatório Focus, a projeção para o IPCA para 2020 está em 3,02%.

• Com mais esta nova alta, o IPCA já se aproxima da meta de 4,0% estabelecida pelo banco central para a inflação em 2020. Resultado que vem crescendo em ritmo acelerado ao longo dos últimos meses.

• A evolução da inflação ainda está condicionada a recuperação da economia ao longo do resto do ano e de fatores externos que acontecem no cenário mundial. Importante acompanhar as consequências do fim do auxílio emergencial e seus impactos no poder de consumo e dinamismo da economia, com data prevista de finalização para o final de 2020.

 

 

 

Nota:

Os dados aqui apresentados fazem referência ao mercado em geral e não possuem qualquer ligação com os dados operacionais da Boa Vista S.A. As opiniões aqui expressas são independentes e de autoria da área de Indicadores e Estudos Econômicos da empresa, que não tem acesso às informações operacionais da Boa Vista S.A.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Empresas fontes têm papel fundamental na consolidação das informações que compõem Cadastro Positivo

Desde que o Cadastro Positivo passou a receber automaticamente, há pouco mais de um ano, informações de pagamento e dados cadastrais dos consumidores (pessoa física e pessoa jurídica), o Brasil aponta para uma nova perspectiva de desenvolvimento econômico. No entanto, para que possa beneficiar um número maior de consumidores, é preciso que mais empresas fontes…

Maioria das empresas está otimista com vendas da Black Friday em 2020

66% das empresas acreditam que as vendas da Black Friday em 2020 serão iguais ou superiores às de 2019, de acordo com pesquisa realizada pela Boa Vista, empresa que aplica inteligência analítica na transformação de informações para a tomada de decisões em concessão de crédito e negócios em geral, com 600 representantes dos setores do…