PIB recua 0,2% no primeiro trimestre de 2019

Na variação acumulada em 4 trimestres houve avanço de 0,9%

Os dados do PIB do 1º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, confirmaram o cenário de fraco desempenho da atividade econômica neste início de ano.

Na comparação com o 4º trimestre de 2018, já descontados os efeitos sazonais, o PIB apontou queda de 0,2%. Em relação ao mesmo período do ano anterior a atividade cresceu 0,5%. Já no acumulado dos últimos quatro trimestres o avanço foi de 0,9%.

Analisando os números pela ótica da demanda, a Formação Bruta de Capital Fixo (Investimentos) mostrou desaceleração no ritmo de crescimento no acumulado em quatro trimestres (passando de 4,1% para 3,7% entre o 4T18 e 1T19). Considerando a comparação trimestral frente ao trimestre imediatamente anterior (%QoQ, dados com ajuste), houve queda de 1,7%.

O consumo das famílias mostrou comportamento favorável, com alta de 0,3% na comparação com o quarto trimestre de 2018 (dados com ajuste sazonal). Na variação interanual, o componente evoluiu 1,3%.

As exportações recuaram 1,9% em relação ao trimestre anterior, enquanto na comparação interanual cresceram 1,0%. Já as importações expandiram 0,5% no trimestre e caíram 2,5% em relação ao 1T18.

Pela Ótica da Oferta (Gráfico 2), a Agropecuária, uma das principais alavancas do crescimento econômico de 2017, avançou 1,1% no acumulado em quatro trimestres. Já em relação ao trimestre anterior e ao mesmo trimestre do ano passado o setor caiu 0,5% e 0,1%, respectivamente.

O setor de serviços teve alta de 0,2% contra o trimestre passado e de 1,2% na comparação interanual e no acumulado dos últimos quatro trimestres, destacando-se o desempenho das Atividades Imobiliárias, que evoluiu 3,2% no período.

A Indústria, por sua vez, recuou 0,6% no 1T19 de acordo com dados dessazonalizados, sendo o primeiro resultado negativo desde o último trimestre de 2017. No acumulado em quatro trimestres o setor ficou estável, já na comparação interanual, a indústria apresentou retração de 1,1%. O destaque do setor se deu nas Indústrias extrativas ao ceder 6,3% em relação ao trimestre passado e 3,0% na comparação interanual.

A queda do PIB na margem não ocorria desde o quarto trimestre de 2016, refletindo a dificuldade dos setores em estabelecer um ritmo de crescimento consistente nesse início de 2019.

Pelo lado da oferta, tanto a Indústria quanto a Agropecuária apresentaram desempenho ruim no trimestre, corroborando para o mal resultado do PIB. Pela ótica da despesa, o Consumo das famílias mostrou leve melhora, mas sofreu o impacto do mercado de trabalho fragilizado e da queda na confiança. Já os investimentos vêm mostrando uma desaceleração no ritmo de recuperação desde o trimestre passado, dando sinais desfavoráveis para o desempenho da economia para o resto do ano.

A seguir, a tabela com resumo dos números do PIB do 1º trimestre.

Esses resultados devem levar os analistas a revisar para baixo as projeções para o crescimento da economia em 2019.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Reabertura com crédito

A flexibilização do comércio em diferentes regiões do Brasil traz incertezas na decisão de concessão de crédito. Diante deste cenário, a Boa Vista identificou um movimento de aceleração da adoção ao Cadastro Positivo pelas pequenas, médias e grandes empresas. Desde o início da pandemia, já somam mais de um milhão de consultas às soluções da…

IPCA avança 0,36% em julho, sendo o maior resultado para um mês de julho desde 2016

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou 0,36% no mês de julho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,31%, 0,18 p.p. acima da variação observada em junho.  Com esse resultado, o indicador acumulou alta de 0,46% no ano. O grupo Transportes (0,78%) foi o que registrou maior impacto positivo sobre o…

Pedidos de falência recuam 12,6% em julho

Os pedidos de falência caíram 12,6% em julho, na comparação com junho, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Mantida a base de comparação, os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas diminuíram 37,6% e 37,9%, respectivamente. Por outro lado, as falências decretadas registraram alta de 16,8% na variação mensal. Na análise…