PME: Desemprego fecha 2015 em 6,9% e rendimentos caem 3,1%

De acordo com o IBGE, a taxa de desemprego encerrou 2015 em 6,9%, a maior para o mês desde 2007, quando registrou 7,4%. Já em termos dessazonalizados, o desemprego manteve-se no mesmo patamar de novembro, em 8,2%. Com isso, a média anual para o indicador foi de 6,8%.

Para as regiões metropolitanas ficou a seguinte configuração: Belo Horizonte (5,9%), São Paulo (7,0%), Porto Alegre (5,9%), Recife (10,0%) e Salvador (11,9%).

Com relação aos rendimentos reais, o valor médio habitual real foi de R$ 2.235,50, caindo 3,1% na variação acumulada em 12 meses. Na variação interanual, dezembro registrou retração de 5,8%.

A pequena recuperação mensal da desocupação em dezembro foi ocasionada preponderantemente pela sazonalidade do indicador. De fato, a análise com ajuste sazonal mostra continuidade manutenção de um alto nível de desemprego, movimento condizente com a grande deterioração do rendimento real sofrida ao longo do ano – em 2014, a média acumulada no ano para os rendimentos foi positiva, em 2,7%, uma diferença em termos percentuais de 6,1 p.p para o resultado consolidado de 2015.

Tais informações deverão ser acompanhadas com cautela durante as próximas aferições, uma vez que os dados do mercado de trabalho podem fornecer um melhor diagnóstico sobre a atual recessão econômica. Não havendo ainda perspectivas de recuperação econômica no curto prazo, esperamos que o desemprego deteriore-se um pouco mais neste ano, enquanto o rendimento real deverá manter-se ainda em território negativo.

pmedez15

 

 

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….