Produção Industrial de novembro interrompe três meses consecutivos de crescimento

Dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) recuou 1,2% em novembro, na comparação mensal ajustada sazonalmente.

Já referente ao acumulado dos últimos doze meses, a atividade industrial recuou 1,3%. No acumulado de 2019, o setor também registrou queda de 1,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo a análise mensal dessazonalizada, a indústria de transformação apontou queda de 1,3% em comparação com outubro. Dentre os ramos industriais houve evolução da atividade em 10 dos 26 pesquisados, sendo que as principais influências positivas ocorreram em: coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (1,6%), impressão e reprodução de gravações (24,0%) e produtos de borracha e de material plástico (2,5%). Por outro lado, os resultados negativos que mais impactaram a média global de novembro ocorreram em produtos alimentícios (-3,3%), veículos automotores, reboques e carrocerias (-4,4%) e indústrias extrativas (-1,7%).

Dentre as grandes categorias, em novembro, o grupo de Bens Duráveis (-2,4%) foi o que apresentou queda mais acentuada no mês, devido principalmente pela menor produção de automóveis. Os grupos de Bens Intermediários (-1,5%), de Bens de Capital (-1,3%) e de Bens de Consumo Semi e não-duráveis (-0,5%) também apresentaram taxas negativas.

O desempenho da indústria em novembro interrompe o terceiro resultado mensal positivo consecutivo na produção, contribuindo para desacelerar levemente a recuperação da atividade na análise 12 meses. A melhora desse desempenho dependerá da melhora no mercado de trabalho, da retomada da confiança e de melhores resultados nos demais setores da economia, que ainda seguem bastante fragilizados. Desta forma, segundo as projeções reunidas no relatório Focus, pode-se esperar que a produção industrial encerre 2019 com queda de 0,73%.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Estatísticas monetárias e de crédito: Queda na inadimplência, na taxa de juros e no spread em agosto

O Banco Central divulgou as Estatísticas monetárias e de crédito em relação ao mês de agosto. O estoque total de empréstimos e financiamentos do país aumentou 1,9% em relação a julho, alcançando a marca de R$ 3.736,5 bilhões. Na comparação com agosto do ano passado, o saldo apresentou crescimento de 12,1%. Considerando a origem dos…

Confiança da indústria recupera toda perda acumulada em março-abril e atinge o maior nível desde janeiro de 2013

Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Índice de Confiança da Indústria (ICI) ficou em 106,7 pontos em setembro, avançando 8,1% em relação ao mês anterior, na série livre de influências sazonais. Já em relação a setembro do ano passado, o indicador avançou 10,9%. Com este resultado, o indicador atinge seu maior nível desde janeiro…

Banco Central revê projeções de Atividade e Crédito após período agudo da crise

O Banco Central divulgou hoje o Relatório de Inflação referente ao 2º trimestre do ano. Dentre os destaques, as expectativas em relação à Atividade e ao Crédito foram revisadas para cima.   Atividade   Em relação à Atividade, o Banco Central destacou que, após o período mais dramático da crise provocada pela pandemia e, consequentemente, da abrupta queda registrada nos…