Vendas no varejo crescem 1,8% em 2019

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE hoje, o volume de vendas no Varejo restrito recuou 0,1% em dezembro na comparação mensal com ajuste sazonal. Em 2019, no entanto, o indicador apresentou crescimento de 1,8% em relação a 2018.

Avaliando as séries na variação mensal (com ajuste sazonal), seis das oito atividades pesquisadas registraram queda. Os recuos que mais influenciaram o resultado de dezembro ocorreram em Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,2%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-2,0%) e Tecidos, vestuário e calçados (-1,0%). Os setores Móveis e eletrodomésticos (3,4%) e Livros, jornais, rev. e papelaria (11,6%) suavizaram a queda do indicador no mês.

No ano sete das oito atividades do varejo apresentaram crescimento, com destaque para Móveis e eletrodomésticos que avançou 3,6%, acompanhado de Artigos farmaceuticos, med., ortop. e de perfumaria (6,8%) e Outros arts. de uso pessoal e doméstico (6%). Por outro lado, 2019 registrou queda no setor de  Livros, jornais, rev. e papelaria (-20,7%). O setor de Tecidos, vest. e calçados (0,1%) fechou o ano praticamente estável.

O Comércio Varejista Ampliado apresentou crescimento de 3,9% em 2019. Na comparação mensal (dados dessazonalizados) houve queda de 0,8% em relação a novembro. Em 2018 o crescimento havia sido de 5%.  Na comparação mensal (dados dessazonalizados) houve queda de 0,8% em relação a novembro, e na variação interanual aumento de 4,1% contra dezembro de 2018.

A queda nas vendas em dezembro ocorre após sete meses de crescimento e considerável alta registrada no mês anterior, podendo estar associada às promoções da Black Friday de novembro, que contribuíram para antecipar as vendas de natal e impactar na sazonalidade do varejo no mês.

Em 2019 o indicador cresceu pelo terceiro ano consecutivo, após registrar crescimento de 2,1% em 2017 e 2,3% em 2018 e apresentando boa melhora após as quedas de 2015 e 2016. O resultado do ano fica próximo ao esperado, marcado pelo elevado nível de desocupação e fraca recuperação da renda. Para 2020, espera-se que os efeitos do Cadastro Positivo, e a melhora nos indicadores que influenciam o consumo, como o mercado de trabalho, impulsionem a economia e o acesso ao crédito para as famílias e, consequentemente, as vendas do varejo apresentem melhora no ritmo de crescimento.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Estatísticas monetárias e de crédito: Queda na inadimplência, na taxa de juros e no spread em agosto

O Banco Central divulgou as Estatísticas monetárias e de crédito em relação ao mês de agosto. O estoque total de empréstimos e financiamentos do país aumentou 1,9% em relação a julho, alcançando a marca de R$ 3.736,5 bilhões. Na comparação com agosto do ano passado, o saldo apresentou crescimento de 12,1%. Considerando a origem dos…

Confiança da indústria recupera toda perda acumulada em março-abril e atinge o maior nível desde janeiro de 2013

Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Índice de Confiança da Indústria (ICI) ficou em 106,7 pontos em setembro, avançando 8,1% em relação ao mês anterior, na série livre de influências sazonais. Já em relação a setembro do ano passado, o indicador avançou 10,9%. Com este resultado, o indicador atinge seu maior nível desde janeiro…

Banco Central revê projeções de Atividade e Crédito após período agudo da crise

O Banco Central divulgou hoje o Relatório de Inflação referente ao 2º trimestre do ano. Dentre os destaques, as expectativas em relação à Atividade e ao Crédito foram revisadas para cima.   Atividade   Em relação à Atividade, o Banco Central destacou que, após o período mais dramático da crise provocada pela pandemia e, consequentemente, da abrupta queda registrada nos…